Esquema de segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno custou um bilhão de dólares | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 12.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Esquema de segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno custou um bilhão de dólares

Mais de mil câmeras de vigilância estão espalhadas por Vancouver. Apesar de ameaças por e-mail, chefe de segurança afasta possibilidade de atentado terrorista.

default

Festa de abertura

O cenário não parece exatamente de jogos olímpicos: helicópteros de combate circulando por Vancouver, botes de segurança em patrulha, grades e barreiras pela cidade, câmeras de vigilância por toda a parte. Esse é o esquema de segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno, que começa nesta sexta-feira (12/02), no Canadá.

Serão 17 dias de evento esportivo, que vão reunir 5.500 atletas representando 80 países diferentes. Vancouver deve receber 75 milhões de visitantes – além de 3 bilhões de telespectadores.

Para que tudo ocorra como o previsto, o serviço secreto de informações trabalha dia e noite – 15 mil homens estão a postos entre policiais, soldados e seguranças privados.

Bud Mercer, chefe de segurança dos jogos, explica que a preparação começou no início de janeiro. "Procuramos lidar com todos os tipos possíveis de perigo e desde então o controle de acesso está vigorando." Até uma simulação de atentando terrorista com armas de destruição de massa esteve em teste.

O Canadá gastou quase um bilhão de dólares em segurança nos Jogos de Inverno – praticamente seis vezes mais do que o planejado originalmente.

Olympische Winterspiele 2010 Vancouver Flash-Galerie

Emblema dos Jogos Olímpicos de Inverno sendo colado num dos locais de competição

Ataque e protesto

André Gualy Matos, especialista em segurança da Universidade de Simon-Fraser, em Vancouver, avalia o esquema como parcialmente seguro. "Eles estão preparados tanto para desobediência civil, como para uma ameaça terrorista, podendo impedir que manifestantes atrapalhem os jogos. O modelo antiterror, em contraste, é dos anos 1970, quando os autores do atentado tentavam escapar depois do ato. Os ataques suicidas de hoje mal podem ser prevenidos."

A cerimônia de abertura, que será na noite desta sexta-feira (12/02), deverá ser marcada por protestos. Estima-se que até 1.500 manifestantes saiam às ruas. Aliás, vários críticos foram impedidos de entrar no Canadá.

"Mas há limites numa sociedade livre, e Vancouver não pode se transformar num Estado policial. E já agora os direitos civis estão limitados devido às muitas câmeras de vigilância e à interdição das ruas. Mas isso não intimidaria os terroristas", avalia Matos.

Apesar de todos os cuidados, o especialista não acredita que os Jogos Olímpicos de Inverno sofram de fato uma ameaça terrorista – o que teria uma reação internacional muito negativa.

"Nós recebemos e-mails semanais com especulações e suspeitas, mas não há nada plausível e não sabemos de nenhum plano de atentado", conforta o chefe de segurança Bud Mercer.

Frank Aischmann / Nádia Pontes
Revisão: Simone Lopes

Leia mais