1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Esporte alemão briga por monopólio estatal das loterias

Enquanto os clubes de futebol procuram novas fontes de receita, as demais entidades esportivas defendem com unhas e dentes uma fatia de 500 milhões de euros que obtêm das loterias e apostas estatais alemãs.

default

Mercado de loterias e apostas movimenta bilhões de euros

A cassação da licença de uma das maiores casas de apostas pela internet, a Bwin (antes Betandwin), pelo governo do Estado da Saxônia, no último dia 10 de agosto, desencadeou uma briga entre dirigentes esportivos alemães pelos recursos movimentados pelas casas de apostas e a parcela que o Estado destina às entidades do setor.

Para cassar a licença da Betandwin, as autoridades da Saxônia recorreram a uma sentença do Tribunal Constitucional Federal (TCF), de 28 de março, segundo a qual o monopólio da casa Oddset, uma filial da loteria nacional, especializada em apostas esportivas, não era contrário à Constituição alemã. Esta sentença questionava a existência de numerosas sociedades privadas de apostas via internet.

Diego Werder Bremen umgeht Werbeverbot

Diego, do Werder Bremen: Bwin virou we win!

A Betandwin, que comprou em 1990 a licença de uma loteria da extinta Alemanha Oriental, ainda promete esgotar todos os recursos judiciais para obter uma indenização de 500 milhões de euros por perdas e danos do Estado da Saxônia. A empresa é patrocinadora de equipes de futebol – Werder Bremen (Primeira Divisão) e 1860 Munique (Segunda Divisão), equitação, handebol e basquete. E continua em campo, com o nome de fantasia We win.

Monopólio estatal sob condições

A decisão da Saxônia, válida para todo o território alemão, porém, não é uma carta branca para o monopólio estatal das apostas. O TCF deu prazo até 31 de dezembro de 2007 aos governos federal e estaduais para aprovarem uma nova regulamentação das loterias e apostas estatais, que na atual forma seriam inconstitucionais, por incentivaram a participação em jogos de azar. Futuramente, as casas de apostas oficias terão de advertir de forma abrangente e efetiva sobre os riscos do vício do jogo. Do contrário, o mercado terá de ser aberto ao setor privado, diz a sentença.

Preocupada com as conseqüências da decisão judicial da Saxônia, a Federação de Esporte Olímpico Alemã (Dosb) propôs uma solução conciliadora numa reunião de cúpula realizada nesta terça-feira (22/08) em Frankfurt. Se o monopólio estatal das apostas for estabelecido por lei, a Dosb e a Federação Alemã de Futebol (DFB) querem fundar com a casa Oddset uma "sociedade de fomento ao esporte", para administrar recursos oriundos dos lucros obtidos pelas lotéricas do Estado.

A proposta, que agora será apresentada aos governos, é vista como uma ponte entre os interesses conflitantes das entidades esportivas, uma vez que a DFB e a Liga Alemã de Futebol (DFL) chegaram a cogitar a criação de uma loteria própria.

A Federação das Entidades Esportivas Estaduais (LSB) só apoiará a criação da nova sociedade, se houver garantia de monopólio estatal das apostas. "Isso é a base financeira de todo o setor esportivo", disse o porta-voz da organização, Ekkehard Wienholtz.

Estados divididos

Tanto as entidades atingidas quanto os governos estaduais ainda não têm posições consensuais sobre o assunto. Em junho passado, os governos estaduais firmaram um acordo prevendo o monopólio estatal das apostas por quatro anos. Na ocasião, 13 Estados votaram pela proibição completa das casas de aposta privadas, enquanto quatro se posicionaram a favor da concessão de um número limitado de licenças.

Caso os governadores aprovem o plano da Dosb, a DFB teria uma participação de cinco vezes o valor destinado às outras entidades esportivas. A fatia de 500 milhões atualmente repassada a estas entidades não seria atingida pela nova divisão do bolo, mas mesmo assim o futebol teria uma compensação pela perda de patrocinadores como a Bwin.

Leia mais