1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Espanha estuda conceder visto para compradores de imóveis

Espalhados pelo país, imóveis, prontos ou inacabados, construídos antes de a bolha imobiliária estourar, são hoje símbolos da profunda crise espanhola. Governo e empresariado estão dispostos a tudo para se livrar deles.

Somente em 2006 foram construídas na Espanha 900 mil moradias. Na época, os lucros eram grandes para corretores e construtores, as pessoas se encontravam num delírio de consumo, comprando casas e apartamentos a preços astronômicos.

Afinal, os bancos concediam crédito a juros módicos. Até mesmo quem não possuía nenhum capital próprio e, a rigor, não estava apto a arcar com um imóvel, era atendido. A maioria dos compradores partia do princípio de que os preços iriam subir sem parar.

Symbolbild - Spanien in der Krise

Esqueletos de imóveis inconclusos povoam paisagem espanhola

Vender a qualquer preço

Mas aí a bolha estourou. Atualmente há na Espanha cerca de 1 milhão de moradias inabitadas, segundo estimativas. Elas se espalham pela costa, em torno das metrópoles ou no planalto castelhano: casas prontas ou inacabadas, construídas em tempos de boom, hoje símbolos da profunda crise do país.

A avaliadora imobiliária Tinsa calcula que, desde o início da crise, os preços dos imóveis caíram 30%. No entanto, a economia espanhola depende do setor de construções. Agora, governo e empresariado torcem pela salvação vinda do exterior – e promete um brinde para os compradores estrangeiros de casas e apartamentos.

"Propusemos que estrangeiros que comprem um imóvel por mais de 160 mil euros recebam automaticamente o visto de permanência", revela Jaime García-Legaz, secretário de Estado do Comércio. A iniciativa se dirige, sobretudo, a investidores russos e chineses, que necessitam de visto para a União Europeia.

Imigração para ricos

O primeiro-ministro Mariano Rajoy apoia: "O setor de construções precisa avançar, os imóveis têm que ser vendidos – e a bons preços". Juan Rosell, presidente da confederação do empresariado CEOE aplaude o plano de Madri: "Tudo o que possa reavivar as vendas de imóveis deve ser seriamente considerado".

Em contrapartida, o sindicato CO fala de uma "política classista": o governo estaria facilitando a imigração para estrangeiros ricos, ao mesmo tempo em que restringe os direitos dos operários imigrantes.

Também a oposição espanhola critica a sugestão. Marisol Pérez Domínguez, porta-voz para assuntos de política de migração do partido socialista PSOE, acusa Madri de atrelar a concessão do visto de permanência a considerações econômicas:

"O governo devia, antes, era parar com a onda de despejos, para que não haja cada vez mais casas vazias e cada vez mais gente na rua."

Spanien Zwangsräumungen Proteste

Protestos em Madri contra despejos por não pagamento de hipotecas

Latino-americanos entre maiores vítimas

Críticas severas partem também das associações de imigrantes. Gilberto Torres, porta-voz da Ferine, afirma tratar-se "um escárnio para os muitos milhares que há anos trabalham na Espanha, e que agora têm que partir, por não poderem mais pagar as parcelas de suas casas".

Durante o boom imobiliário, muitos imigrantes latino-americanos também compraram imóveis a preços exorbitantes. Quando a crise começou, eles foram os primeiros a perder seus empregos, e agora se encontram sob ameaça de despejo.

Torres ressalta que, da oferta do governo, só iriam mesmo se beneficiar aqueles que têm poder aquisitivo muito mais elevado do que o imigrante médio. Os latino-americanos estão saindo prejudicados, e sua situação é especialmente grave, aponta o ativista.

A organização espanhola SOS Racismo igualmente condena a proposta. Segundo ela, este é "mais um passo do governo para regulamentar a migração de um ponto de vista puramente econômico". Até agora, Madri escolhia quais eram os estrangeiros desejados no país segundo o ponto de vista do mercado de trabalho. Agora, ao que tudo indica, chegou a vez do mercado imobiliário.

Estratégia ineficaz

Os planos de Madri ainda não estão fechados. No entanto, a Espanha não seria a primeira nação a adotar uma regulamentação dessas. Portugal, Irlanda, os Estados Unidos e o Canadá já facilitam a obtenção do visto definitivo para investidores.

Em agosto, Portugal até ampliou suas leis de imigração com um parágrafo correspondente, e o visto só é concedido a partir de um valor de compra de 500 mil euros. Mas até o momento não se registrou nenhuma corrida aos imóveis lusitanos.

Autoria: Nils Naumann (av)
Revisão: Francis França

Leia mais