1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Espanhóis querem conquistar projetos de infraestrutura no Brasil

Durante encontro com Mariano Rajoy em Madri, Dilma Rousseff afirma que o Brasil tem interesse no crescimento dos investimentos espanhóis. Situação em Gaza e intercâmbio científico também são temas de encontro.

De olho no aumento dos investimentos em infraestrutura, empresas espanholas pretendem ampliar sua presença no Brasil. O recado foi dado pessoalmente pelo presidente de Governo da Espanha, Mariano Rajoy, à presidente Dilma Rousseff durante encontro no Palácio de Moncloa nesta segunda-feira (19/11), em Madri.

Rajoy ressaltou a experiência de empresas espanholas em áreas como construção de rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e trens de alta velocidade. Mais tarde, durante almoço com a família real espanhola no Palácio Real, o rei Juan Carlos 1º reforçou a importância da internacionalização das empresas espanholas neste momento de crise. E afirmou que o governo também pretende "animar" empresas brasileiras a investir em seu país.

A demanda brasileira por obras de infraestrutura estará bastante aquecida nos próximos meses, por conta do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e dos dois importantes eventos esportivos, a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. O governo brasileiro pretende ainda tirar do papel o projeto do trem de alta velocidade que ligará o Rio de Janeiro a São Paulo, orçado em 33 bilhões de reais.

Brasilien Spanien Treffen Dilma Vana Rousseff und König Juan Carlos

Dilma já havia encontrado o rei Juan Carlos em Cádiz

Uma das maiores vitrines do governo de Rajoy é o projeto da linha de alta velocidade que ligará as cidades sauditas de Medina e Meca, que será realizado por um consórcio de 12 empresas espanholas. "O Brasil é uma potência do presente, que oferece enormes oportunidades para as empresas. A Espanha aposta no Brasil mais do que nunca", disse Rajoy.

Dilma, por sua vez, também garantiu que o governo brasileiro tem interesse em ampliar a parceria econômica com os europeus. "O Brasil pode e deve contribuir para que haja maior crescimento e mais possibilidades de solução para a crise", disse a presidente aos jornalistas no Palácio de Moncloa.

A Espanha é um importante parceiro comercial do Brasil. Os espanhóis estão em segundo lugar entre os estrangeiros que mais investem diretamente no país, com um valor acumulado de 85 bilhões de dólares. As exportações brasileiras para a Espanha cresceram 20% no ano passado e chegaram a um valor histórico, 8 bilhões de dólares. O país é o décimo maior comprador de produtos brasileiros.

Experiência brasileira com crises

Depois de criticar novamente a política de austeridade adotada pelos países europeus em crise – como Espanha, Portugal e Grécia – durante a 22ª Cúpula Ibero-americana, em Cádiz, a presidente disse em Madri que as medidas tomadas até agora foram importantes, pois evitaram uma crise sistêmica. Dilma ressaltou, no entanto, que é preciso combinar corte de despesas com crescimento econômico.

"Não tenho a menor pretensão de dar uma receita para a Espanha", afirmou a presidente. "Estou falando a partir da experiência e dos erros do meu país." Dilma lembrou que, nos anos 1980 e 1990, o Brasil enfrentou vários problemas econômicos e só conseguiu contornar a situação, segundo ela, quando controlou a inflação e melhorou a distribuição de renda, além de estimular o mercado interno e as exportações.

Segundo a presidente, a atitude do Fundo Monetário Internacional (FMI) na crise europeia reflete um aprendizado com a crise que assolou a América Latina há duas décadas. "O FMI não nos receitava nada que não fosse cortar salários, desemprego e ajustes. Se tivesse tido a consideração de nos tratar de uma forma mais compreensiva, toda a América Latina teria saído antes da crise."

Um dos países mais afetados pela crise financeira, a Espanha terá um crescimento negativo de 1,7% neste ano. Rajoy ressaltou que os esforços para controlar os gastos e manter investimentos num momento de recessão são duros, e que as medidas terão efeito apenas em médio e longo prazo. "O pior já passou", garantiu Rajoy, cuja eleição para o governo espanhol completa um ano nesta terça-feira.

Os dois chefes de governo ainda foram incisivos na defesa da manutenção da União Europeia e de sua moeda comum. Para Dilma, é preciso controlar a especulação contra o euro, "uma das maiores contribuições que a Europa deu ao mundo".

Preocupação com a Faixa de Gaza

O atual conflito entre israelenses e palestinos na Faixa de Gaza também foi assunto no encontro entre os dois líderes. Dilma afirmou ter conversado no domingo com o presidente do Egito, Mohamed Morsi, e com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a quem revelou preocupação com a possibilidade de uma invasão terrestre de Gaza.

Desde o início dos bombardeios aéreos, há uma semana, o Brasil vem reiterando sua defesa do reconhecimento do Estado palestino como forma de garantir a paz na região, com dois estados legitimamente formados.

Rajoy também afirmou ter pedido mais diálogo e defendido a paz na região em conversa com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. "Israel tem direito à legítima defesa, mas solicitamos contenção na resposta para não provocar uma escalada que leve a um conflito aberto, de consequências incertas."

Intercâmbio científico

Pela manhã, a presidente esteve na Casa do Brasil, onde participou da cerimônia de renovação e ampliação do convênio entre o programa ProUni e a Universidade de Salamanca, a primeira instituição de ensino no exterior a receber estudantes deste programa. De acordo com o Itamaraty, para participar do ProUni-Salamanca o estudante precisa ser de baixíssima renda e apresentar bom rendimento no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Atualmente, 30 brasileiros já estudam na instituição de ensino superior com bolsas financiadas pelo banco espanhol Santander. Com a ampliação, serão abertas 40 vagas no próximo ano.

A Espanha também é o quarto destino preferido dos mais de 100 mil alunos do programa Ciências sem Fronteiras. A expectativa do governo é de que, até 2014, 8 mil brasileiros estejam cursando graduação e pós-graduação em universidades espanholas.

Para os governos brasileiro e espanhol, o intercâmbio de estudantes e profissionais também deve ser ampliado. Em conversa com Dilma, o rei Juan Carlos 1º pediu que o Brasil estude e adote procedimentos que facilitem a permanência no país de profissionais espanhóis qualificados.

Autora: Mariana Santos, de Madri
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais