Espanhóis estão cansados da sesta | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 15.09.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Espanhóis estão cansados da sesta

Eles são invejados em muitos países por terem direito a uma sesta depois do almoço. Mas muitos espanhóis gostariam mesmo é de se ver livres da pausa prolongada.

Em Madri, quando o alarme toca às 6h30, começa um longo dia para a espanhola Rocío, de 30 anos. A assistente de veterinária de Guadalajara organiza algumas coisas na casa, toma um café da manhã rápido com o marido e a filha e corre para o trabalho às 9h. O expediente normal dos espanhóis vai até às 20h, incluindo uma pausa de três horas para o almoço. "Minha rotina me deixa infeliz. Eu não tenho tempo para a minha família", diz Rocío.

A vida cotidiana de muitos espanhóis é semelhante à de Rocío e sua família. Eles encaram a sesta como uma pausa forçada, que divide o dia de trabalho e é desnecessariamente longa.

Depois do trabalho, Rocío pega a filha com a babá e raramente vai para a cama antes da 1h da manhã. "Eu passo duas horas por dia com a minha filha", reclama.

"Na Espanha, é normal que as famílias cheguem tarde em casa", diz a psicóloga social Sara Berbel Sánchez. Em muitos casos, o expediente pode se estender até às 22h ou 23h.

Por isso, o horário nobre na televisão espanhola começa muito mais tarde que em outros países e termina por volta da meia-noite. "Nós, espanhóis, dormimos em média quase uma hora a menos por noite do que outros europeus", diz a economista Nuria Chinchilla.

Homem fecha seu negócio em Barcelona para a sesta

Homem fecha seu negócio em Barcelona para a sesta

Crianças e jovens ficam cansados durante o dia e não conseguem acompanhar com atenção as aulas. "A falta de sono é uma das razões pelas quais tantos jovens espanhóis vão mal na escola ou desistem da formação", explica Sánchez.

A rotina prolongada também afeta negativamente a produtividade econômica. De acordo com estatísticas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), um funcionário espanhol trabalha 1.689 horas por ano — 300 horas a mais que um alemão. No entanto, seu desempenho econômico é significativamente menor. Segundo Chinchilla, a "cultura da presença" exerce um papel importante. "Na Espanha, as pessoas passa muito tempo no trabalho, mas não trabalhando", diz a economista.

Em algumas instituições públicas e empresas é crescente a tendência de flexibilizar os horários de trabalho. O Ministério da Economia incentiva seus funcionários a fazer uma pausa para o almoço tão curta quanto possível e encerrar o expediente às 18h. A empresa de energia Iberdrola instituiu, em 2008, um horário de trabalho contínuo: os 9 mil funcionários começam a trabalhar entre 7h15 e 9h, e o expediente termina entre 14h50 e 16h35.

Há quase dez anos a Comissão Nacional para Racionalização dos Horários Espanhóis (ARHOE) foi instaurada para que a Espanha mude seu fuso horário da Europa Central para a Europa Ocidental. "Vivemos na hora errada", diz o chefe da ARHOE na Catalunha.

A mudança tornaria mais fácil um dia de trabalho compacto, sem sesta, e com um fim de expediente mais cedo. "Especialmente para as mulheres, isso seria um grande alívio", diz Berbel Sánchez. Nas atuais condições é extremamente difícil conciliar o trabalho e a vida familiar.

"As mulheres que trabalham na Espanha têm que colocar sua família em segundo plano. E quem quer estar presente para a família, precisa desistir do trabalho", diz Rocío.

AF/dpa/ots

Leia mais