1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Espanhóis buscam futuro profissional na Alemanha

Grande parte dos jovens formandos espanhóis ficará desempregada após concluir o curso. Muitos deles deixam o país. Principalmente entre os engenheiros, a Alemanha é considerada o El Dorado.

Os colegas alemães de Álvaro Morales, 26 anos, não conseguem acreditar em seus relatos amargurados sobre a Espanha. "Se tiver sorte, depois de se formar você consegue um emprego como engenheiro, ganhando 800 euros por mês. Na melhor das hipóteses, vai construir algum meio-fio na rua."

Morales não se contenta em ser contratado como ajudante superqualificado e, muito menos, em ficar como a maioria dos jovens espanhóis recém-formados, dos quais 52,3% estão atualmente desempregados – taxa que é um triste recorde entre os 27 países integrantes da União Europeia.

Por isso, Morales decidiu, há alguns meses, fazer um estágio na Alemanha, numa empresa de tecnologia nuclear. A chanceler federal Angela Merkel, em visita a Madri fez um convite à mão-de-obra qualificada espanhola para vir trabalhar no país – o qual, como não cansa de repetir a midia alemã, carece de dezenas de milhares de engenheiros. "A Alemanha é um paraíso para estudantes de engenharia como eu", explica o espanhol, natural de Las Palmas de Gran Canaria.

Retorno para a Espanha é incerto

Alba Morell trabalha como engenheira na Daimler, Stuttgart

Alba Morell trabalha como engenheira na Daimler, Stuttgart

Há um ano, Alba Morell conseguiu emprego em Stuttgart, na montadora Daimler, para a qual muitos engenheiros do sul da Europa sonhariam trabalhar. A jovem de 25 anos de Gijón, no norte da Espanha, é engenheira mecânica.

Ao contrário da Espanha, na Alemanha a engenharia ainda é domínio masculino, e Morell é a única mulher da equipe. Indagada como conseguiu emprego na Daimler, ela responde sem hesitação. "Durante os estudos, eu acreditava: 'Alemanha é o motor da Europa, tecnologicamente eles estão muito mais desenvolvidos do que nós – eu quero ver isso'."

A estudante da Universidade de Oviedo fez um intercâmbio acadêmico em Karlsruhe. Meses depois, obteve um estágio no setor de pesquisa da Mercedes em Ulm e, por fim, foi convidada para pesquisar na própria empresa para sua tese de doutorado.

"Foi um sonho receber a proposta de emprego em Stuttgart. Tanto para mim quanto para meus colegas na Espanha, a Mercedes era inatingível", diz Morell. Entretanto, isso significa também se afirmar num campo de trabalho onde não há o menor desconto pelo fato de ela não estar falando sua língua materna.

Morell lembra a Espanha com tristeza. Ela conta sobre amigos da universidade sem condições de sair da casa dos pais, ou que trabalham como caixas de supermercado, "apesar de terem notas iguais às minhas".

A engenheira sabe que saiu no momento certo do país em crise. E mesmo assim, não foi sem um certo peso que tomou a decisão de aceitar o emprego em Stuttgart. "Talvez porque pode significar que nunca mais voltarei para a Espanha, onde no momento é impossível encontrar um emprego como este", reflete Morell.

Vantagens do brain drain?

Segundo Herbert Brücker, brain drain pode ter lado positivo para países em crise

Segundo Herbert Brücker, "brain drain" pode ter lado positivo para países em crise

Os jornais espanhóis noticiam com frequência o volume de mão-de-obra qualificada que deixou o país nos últimos anos. Entre 2010 e 2011, o número de emigrantes cresceu 70%. No entanto, não existem estatísticas sobre a profissão e o nível de instrução dessas pessoas.

Certo é que cada vez chegam na Alemanha mais trabalhadores da Espanha, Grécia, Portugal e Eslováquia, ou seja, de países europeus atingidos pela crise econômica e de endividamento. Herbert Brücker, especialista da Universidade de Bamberg em mercado de trabalho, não acredita que a evasão de cérebros– brain drain – seja forçosamente negativa para os países em crise.

"Países com altos gastos de seguro-desemprego lucram um pouco quando essas pessoas emigram", explica. Além disso, se alguns desses emigrantes retornarem depois com uma qualificação mais alta, isso também pode trazer benefícios ao país.

Para Brücker, muito mais preocupante é a situação dos que permanecem. Pois esses acabam tornando-se "desempregados crônicos", perdendo, assim, a experiência e o estímulo. "Para eles, será muito difícil encontrar um novo emprego. E nós sabemos disso, pois essa situação já ocorreu na Alemanha", conta o pesquisador, referindo-se ao ano de 2005, em que o país esteve em crise.

Na época, a taxa nacional de desemprego ultrapassava a dos países sul-europeus. Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a responsabilidade cabia às características da mão-de-obra alemã, inflexível e demasiado especializada numa empresa específica.

Taxa de desemprego é alta entre os recém-formados na Espanha

Taxa de desemprego é alta entre os recém-formados na Espanha

Falar alemão: um pré-requisito

Atualmente, essa conexão forte entre o empregado a sua empresa é, justamente, considerada a chave do sucesso alemão. O estudante de engenharia Álvaro Morales também percebeu a aplicação desse princípio nas diferentes disciplinas de seu curso.

Na Espanha, mal concluem um curso, os formandos já começam outro, por falta de opção, privados da chance de acumular experiência prática. Enquanto isso, "na Alemanha, o estágio numa empresa costuma fazer parte do currículo. Ao terminar o estudo, a pessoa já tem contatos no mundo do trabalho e, às vezes, entra até direto para um emprego", observa Morales.

Azul do Oceano Atlântico a partir de Gran Canaria

Azul do Oceano Atlântico a partir de Gran Canaria

Ele espera que sua entrada no mercado alemão transcorra mais ou menos assim. Se seus planos vingarem, na sequência de seu atual trabalho de meio expediente, ele inicia um estágio no Mar do Norte, onde seu empregador mantém um projeto de energias renováveis.

Enquanto isso, todos os dias após o expediente ele frequenta um curso de alemão. "Para conseguir um emprego aqui, é preciso falar alemão. E para um espanhol, isso é uma coisa bem complicada", comenta, rindo. "Todo o resto é bagatela. Por exemplo, o fato de os alemães já irem almoçar às 11h30 da manhã."

Apesar de tudo, Morales pode ser um dos espanhóis que um dia retornarão para casa. “Se houver vagas, eu gostaria de trabalhar onde nasci”, confessa. Estando na Alemanha, ele nunca terá a mesma perspectiva de sua casa em Gran Canaria: a gloriosa vista do Oceano Atlântico.

Autora: Regina Mennig (cn)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais