1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Migração

Eslovênia barra trens vindos da Croácia para conter refugiados

País teme se tornar próximo ponto de parada de migrantes cruzando a Europa. Zagreb fecha postos de fronteira com a Sérvia, e Hungria inicia construção de cerca para impedir entrada de refugiados vindos da Croácia.

A Eslovênia interrompeu na noite desta quinta-feira (17/09) o tráfego ferroviário na principal linha proveniente da Croácia, após encontrar 150 refugiados num trem com destino a Zurique.

Os detidos tinham atravessado a fronteira croata na prórpia noite de quinta-feira, segundo informações da polícia eslovena, que informou ser este o maior grupo de migrantes a chegar ao país desde o início da atual crise migratória na Europa. "Os enviaremos de volta à Croácia o mais rápido possível", afirmou uma autoridade policial.

O país poderá se tornar o próximo ponto de parada de refugiados vindos da África e do Oriente Médio, a maioria dos quais almeja chegar aos países mais ricos da Europa, no oeste e no norte do continente.

Entretanto, as autoridades eslovenas alertaram que não vão viabilizar a criação de um corredor de trânsito para os migrantes em seu território, afirmando que isso iria contra as regras de asilo da UE.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro esloveno, Miro Cerar, reafirmou a determinação do país de observar as regras do acordo de Schengen – que desde 1995 estabelece uma zona de livre trânsito entre países europeus – ao lidar com os refugiados. Cerar ressaltou que o país não pode "permitir a entrada nas fronteiras da UE de pessoas que não atendem aos requisitos necessários".

Autoridades eslovenas também controlaram todos os passageiros de trens vindos da Croácia na cidade fronteiriça de Dobova e reforçaram a vigilância com mais guardas e um helicóptero.

"Croácia não é caminho para a Europa"

A presidente croata, Kolinda Grabar Kitarevic, ordenou na quinta-feira que o Exército fique de prontidão, caso seja necessário proteger a fronteira dos imigrantes ilegais que chegam através da Sérvia.

Segundo a polícia croata,

mais de 9 mil refugiados chegaram ao país nas últimas 48 horas

. Centenas deles chegaram a romper barreiras policiais exigindo o direito de continuar sua jornada até o oeste da Europa.

Na noite de quinta-feira, as autoridades croatas ordenaram o fechamento temporário de sete postos na fronteira com a Sérvia, além de proibir o tráfego nas rodovias nos limites com o país vizinho.

O ministro croata do Interior, Ranko Ostojic, instou as autoridades a impedir o fluxo de migrantes, pedindo que eles não venham mais ao país. "Fiquem em campos de refugiados na Sérvia, Macedônia ou na Grécia", afirmou. "Este não é um caminho para a Europa. Não há ônibus que os levem até lá. Isso é mentira."

Nova cerca entre Croácia e Hungria

A Hungria iniciou na madrugada desta sexta-feira a construção de uma

cerca na fronteira da Croácia

, poucos dias após a conclusão de uma barreira nos limites do país coma Sérvia.

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, confirmou o envio de centenas de soldados e policiais para vigiar os limites do país com a Croácia. Ele informou que a nova cerca se estenderá pelos 41 quilômetros em que a fronteira não é delimitada por um rio.

"Precisamos implementar as mesmas medidas adotadas na fronteira com a Sérvia", afirmou Orbán em entrevista a uma rádio estatal. Segundo o premiê, 600 soldados trabalham na construção da barreira, além de outros 1,2 mil que serão enviados ao local nos próximos dias.

A Hungria se tornou rota de trânsito para mais de 180 mil refugiados neste ano. Além de construir uma barreira nos limites com a Sérvia, o país implementou

novas e rígidas leis anti-imigração

.

Na quarta-feira, migrantes que tentavam forçar a passagem num posto de controle na cidade fronteiriça de Roszke entraram em confronto com policiais húngaros.

Orbán considerou o episódio "uma ataque armado contra a Hungria a partir do território sérvio", e condenou o país vizinho por não agir para impedir o incidente. Ele afirmou que o episódio demonstra que este não é mais simplesmente um problema de imigração, mas sim de "ameaça, perigo e terrorismo".

RC/afp/ap/dpa/rtr

Leia mais