1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Esforços para formação de novo governo na Grécia continuam sem resultados

Encontro de líderes políticos organizado pelo presidente grego, Karolos Papoulias, termina sem resultados concretos. Até agora, três tentativas de formação de um novo governo fracassaram no país.

O presidente grego, Karolos Papoulias, pisou no acelerador. Depois das fracassadas conversas para sondar a posição de diversos líderes de partidos políticos do país, ele tomou as rédeas da situação para impedir o caos no processo de formação de um novo governo. Neste domingo (13/5), Papoulias, de 82 anos, reuniu-se com os líderes das três facções gregas mais fortes: Antonis Samaras (Nova Democracia), Alexis Tsipras (Syriza) e Evangelos Venizelos (Pasok).

O encontrou terminou, contudo, sem quaisquer resultados concretos. Agora Papoulias irá se reunir separadamente com representantes dos partidos menores. Caso nenhuma coalizão seja alinhavada nos próximos dias, serão inevitáveis novas eleições nos próximos 10 e 17 de junho.

Presidente mantém-se cético

Alexis Tsipras

Alexis Tsipras, líder da esquerda radical

Papoulias afirmou estar cético em relação às negociações que conduz. "Espero poder contribuir para uma solução", disse no sábado (12/05), depois de um encontro com o líder socialista Venizelos, que devolveu oficialmente seu mandato para formação de um novo governo ao presidente. Até agora, todas as negociações preliminares fracassaram em função da resistência do partido de esquerda radical Syriza.

As facções mais moderadas querem manter a Grécia na zona do euro, embora com um programa de austeridade mais suave. A fim de compor uma maioria parlamentar mais forte, estes partidos anseiam uma aliança com a esquerda radical. Alexis Tsipras, líder do partido, mantém, contudo, sua posição, e exige que Atenas suspenda o programa de austeridade.

Plano da UE precisa ser posto à prova?

Eurogroup Brüssel

Jean-Claude Juncker, presidente do Grupo do Euro

Jean-Claude Juncker, presidente do Grupo do Euro, afirmou que os parceiros europeus precisam colocar suas agendas à prova e, em caso de dúvida, melhorar seus contratos com a Grécia. Segundo Juncker, caso a formação de um novo governo seja adiada mais ainda ou novas eleições venham a ser realizadas, o país precisará de mais tempo. Isso, acrescentou o presidente do Grupo do Euro, deverá, contudo, ser negociado primeiro na esfera europeia. Juncker salientou, porém, que não há nenhum caminho possível que não passe por severas medidas de austeridade.

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, não exclui a concessão de mais ajuda à Grécia. Ao mesmo, tempo, confirmou o ministro em entrevista ao jornal Welt am Sonntag, a Alemanha está preparada para uma eventual saída da Grécia da zona do euro. "É claro que não queremos que a Grécia saia, isso é muito claro e óbvio", afirmou Schäuble, ao lembrar que o governo deve, mesmo assim, estar preparado para esta possibilidade.

Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, defendeu a concessão de novos pacotes de ajuda à Grécia. Segundo ele, para conter despesas, um país precisa primeiro impulsionar o crescimento. Para Schulz, a fragmentação do cenário político é "sinal de uma crise psicológica profunda" e não um simples "não" à União Europeia.

De acordo com uma enquete realizada pelo jornal To Vima, a maioria absoluta dos gregos quer manter o euro como moeda nacional a qualquer custo – independentemente do eventual sucesso de partidos nas urnas, que pretendem acabar com o programa de austeridade. Um total de 78,1% dos cidadãos abordados pela enquete afirmou que o novo governo deveria fazer de tudo para manter o país na zona do euro.

SV/dpa, dapd, afp, rtr
Revisão: Marcio Pessôa

Leia mais