1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Escritora Luise Rinser falece aos 90 anos

Autora de mais de 50 obras, foi uma das personalidades mais marcantes da Alemanha do pós-guerra.

A escritora Luise Rinser faleceu no domingo (17), aos 90 anos, em Unterhaching (Baviera), vitimada por uma parada cardíaca. Seus livros foram traduzidos em 24 idiomas e venderam mais de 5 milhões de exemplares.

Dentre os seus mais conhecidos romances estão Mitte des Lebens (1950 - Centro da Vida), Daniela (1952), Mirjam (1983) e Abaelards Liebe (1991 – O Amor de Abaelard). Em seus mais de 50 contos, romances, ensaios, diários e relatos de viagens, Rinser sempre abordou temas como a força do amor e a realidade da vida. Seu ensaio sobre Brecht, de 1960, é considerado uma obra-prima.

Nascida em 1911, Luise Rinser começou a trabalhar como professora em 1935. No final da década de 30, recusou filiar-se ao partido nazista e demitiu-se do serviço público para não ser retaliada. Mas não adiantou. Três anos depois, foi proibida de publicar, condenada por traição e presa no campo de mulheres de Traunstein. Escapou de uma provável condenação à morte quando o campo foi libertado pelos americanos, em 1945.

Denúncias – Depois da Segunda Guerra Mundial, Luise Rinser foi uma das primeiras a condenar os horrores do nazismo. Enquanto a maioria dos alemães silenciaram ou trataram de disfarçar, ela colocou o dedo na ferida, denunciou publicamente o assassinato de milhões de judeus.

A partir da década de 60, Rinser participou ativamente da vida política, defendendo os direitos das mulheres, a liberalização do aborto e condenando a corrida armamentista. Em 1984, candidatou-se pelo Partido Verde ao cargo de presidente da Alemanha, perdendo a eleição para Richard von Weizsäcker.

A personalidade crítica e engajada de Luise Rinser lhe valeu também muitas críticas. Foi difamada como simpatizante do terrorismo e duramente criticada pelo seus elogios ao ditador Kim Il Sung da Coréia do Norte. Casada com o compositor Carl Orff, a escritora foi uma amante da música, filosofia e das religiões.