1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Escolas e estações de metrô reabrem em Bruxelas

Cidade mantém alerta máximo, e estabelecimentos de ensino e sistema de transporte voltam a funcionar com segurança reforçada. Polícia continua à procura de Salah Abdeslam, suspeito de envolvimento nos ataques de Paris.

default

Metrôs voltam a circular na capital belga

Após quatro dias de tensão, a rotina em Bruxelas começa a se normalizar. Escolas foram reabertas e grande parte do sistema de metrô voltou a funcionar nesta quarta-feira (25/11). No entanto, tropas continuam patrulhando a cidade que permanece em estado de

alerta máximo.

A segurança de escolas da capital belga foi reforçada com cerca de 300 agentes, que fazem guarda em guaritas montadas do lado de fora dos estabelecimentos de ensino e controlaram identidade de alunos e familiares.

Cerca da metade das estações de metrô foram reabertas, e 200 soldados foram designados para protegê-las. Algumas linhas do sistema público ainda operam com restrições.

As polícias belga e francesa continuam à procura do foragido

Salah Abdeslam

, de 26 anos, suspeito de envolvimento nos ataques em Paris no último dia 13 de novembro, que deixaram 130 mortos. Bruxelas afirma que ele pode estar armado e poderia estar planejando novos atentados.

Mais de 20 pessoas foram detidas na

operação antiterrorismo

deflagrada na Bélgica após os ataques em Paris. No entanto, apenas cinco permanecem presos, acusados de delitos terroristas. Entre os detidos estão três pessoas que deram carona a Abdeslam depois dos atentados na capital francesa.

O alerta de terrorismo levou ainda ao cancelamento de eventos esportivos e musicais no país. Porém, a final da Copa Davis de tênis, entre Bélgica e Reino Unido, irá ser realizada no próximo fim de semana, como o planejado, em Ghent, a oeste de Bruxelas.

Já a partida da Copa da UEFA entre Club Brugge e Napoli desta quinta-feira será realizada sem a presença do público em Bruges, pois, em meio a outras tarefas, a polícia não terá condições de garantir a segurança no estádio.

CN/rtr/dpa/ap

Leia mais