Escaneadores de corpo se estabelecem nos aeroportos apesar de ressalvas éticas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 30.12.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Escaneadores de corpo se estabelecem nos aeroportos apesar de ressalvas éticas

Cada vez mais aeroportos estão cogitando usar técnicas de escaneamento de corpo para detectar e conter ameaças ao tráfego aéreo. Alguns consideram a prática invasiva, por ferir os direitos de privacidade.

default

Passageiro escaneado no aeroporto de Schiphol, em Amsterdã

O atentado que o nigeriano Abdul Farouk Abdulmutallab tentou cometer, sem êxito, dentro de um avião com destino a Detroit, na semana passada, reacendeu a discussão sobre certos procedimentos de segurança que passaram a ser utilizados nos aeroportos, entre os quais escaneadores de corpo inteiro.

Alguns aeroportos nos Estados Unidos e os de Amsterdã, Zurique e Londres já introduziram a técnica de escaneamento, que rapidamente gera imagens de qualquer coisa escondida sob a roupa de uma pessoa – inclusive seu próprio corpo.

Os funcionários de segurança que trabalham com os escaneadores são capazes de discernir diversas características corporais da pessoa. Mas os técnicos e fabricantes de escaneadores desse tipo tentam filtrar de diversas maneiras os itens ligados à privacidade. Alguns aparelhos, por exemplo, desfocam a cabeça ou obscurecem a genitália da pessoa escaneada.

Além disso, o procedimento de escaneamento pode ser regulado para que os operadores do aparelho não possam ver a imagem das pessoas que estão escaneando. Nesse caso, as imagens produzidas podem ser analisadas por outros funcionários, em um espaço isolado em qualquer outro ponto do aeroporto. Caso estes descubram algum problema, podem comunicá-lo aos respectivos terminais.

Silhuetas em vez de traços corporais

Na Alemanha, as autoridades federais responsáveis pela segurança dos aeroportos abordam de outra forma a questão da privacidade.

"Experimentamos vários escaneadores para conferir sua eficácia em gerar silhuetas em vez de reproduzir a maioria dos traços do corpo humano. Nesse caso, os funcionários de segurança só veriam o contorno do corpo e algo eventualmente escondido", descreve Jörg Kunzendorf, porta-voz da polícia federal alemã.

As autoridades alemãs optaram pelo escaneador de ondas milimétricas. Este aparelho emite ondas situadas na escala espectral entre as de rádio e as infravermelhas. Ao refletir o corpo humano e eventuais armas escondidas, as ondas milimétricas podem tornar transparentes camadas leves como roupas. Um receptor coleta os sinais refletidos e os direciona a um computador, responsável por processar os dados e gerar uma imagem tridimensional dos indivíduos escaneados.

Sistema de retrodifusão

Outro tipo de escaneador de corpo, cujo funcionamento básico é o do raio X em retrodifusão, está entre os modelos utilizados nos Estados Unidos. Esse aparelho emite raios de alta energia que se dispersam ao entrarem em contato com os materiais, em vez de penetrá-los, como no raio X médico.

O escaneador detecta os raios difundidos e cria imagens dos objetos com número atômico baixo. Segundo o fabricante, isso inclui armas de plástico e explosivos.

O sistema de retrodifusão também é capaz de detectar armas de metal ou artifícios usados para detonar bombas. Materiais desse tipo não produzem nenhum efeito de retrodifusão, de modo que o escaneador pode reconhecê-los justamente quando registrar áreas escaneadas onde esse efeito não ocorre.

Autor: Stuart Tiffen (sl)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais