1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Escândalos de corrupção fazem Espanha discutir laços entre políticos e setor privado

Espanhóis ignoraram problema por muito tempo. Agora, denúncias se multiplicam e atingem premiê Mariano Rajoy e seu partido. Segundo mídia do país, cerca de 730 políticos estão envolvidos em casos de corrupção.

Rodrigo Rato deve estar sentindo tristeza e alegria ao mesmo tempo. Por um lado, o ex-ministro espanhol da Economia e antigo diretor-geral do FMI tem que se defender em tribunal das acusações de má gestão da segunda maior caixa econômica espanhola, a Caja Madrid. Por outro lado, ele deve estar feliz com o seu novo emprego como consultor da Telefónica.

A empresa de telecomunicações espanhola, também presente na Alemanha por meio de sua subsidiária O2, também teve por muito tempo entre seus funcionários Iñaki Urdangarin, genro do rei Juan Carlos suspeito de corrupção. Também Eduardo Zaplana, antigo governador de Valencia, esteve longo tempo sob contrato da empresa. Ele é considerado por muitos espanhóis um dos principais responsáveis pela má situação financeira da região, que já era dependente de subvenções governamentais.

Mas o envolvimento da Telefónica com o setor político vai mais longe. Pouco depois de o conservador Partido Popular assumir as rédeas do país, em 2011, a empresa contratou o marido de Soraya Sáenz de Santamaría, o segundo nome na hierarquia do novo governo.

Esther Martín Juristin Spanien

Jurista Martín: população sente que algo está sendo ocultado

Reações populares

A imprensa espanhola discute intensamente a questão da corrupção. Depois haver silenciado sobre o tema durante anos, noticia quase diariamente sobre o assunto. Nas últimas semanas, foram revelados vários escândalos de corrupção, incluindo a descoberta de uma conta clandestina de um ex-tesoureiro do Partido Popular. O atual primeiro-ministro, Mariano Rajoy, também se encontra sob suspeita de ter recebido pagamentos do esquema de caixa dois de seu partido.

"No entanto, os espanhóis continuam relativamente tranquilos", diz a jurista espanhola Esther Martín. Uma taxa de desemprego de quase 26% faz muitos cidadãos temerem perder seus empregos e, por isso, preferirem manter silêncio sobre irregularidades na conduta dos seus empregadores. "Entre a população, cresce a impressão justificada de que algo está sendo varrido para debaixo do tapete", diz Martín.

O consultor fiscal Carlos Alaiz critica a recentemente aprovada anistia fiscal para os espanhóis que trazem sua fortuna do exterior de volta ao país. "Isto é um cinismo, considerando que os outros sonegadores não só têm que responder a processo, como também que pagar a multa completa, e não só 10%, como os favorecidos pela anistia".

Segundo a imprensa local, cerca de 730 políticos espanhóis estão atualmente envolvidos em casos de corrupção. Durante o boom do mercado imobiliário, pagamentos de comissões eram praxe em muitos governos locais. "A Espanha é ainda destino preferencial de lavadores de dinheiro. Russos, chineses e italianos atuam aqui há anos", diz a jornalista italiana residente em Madri Paola Del Vecchio, que há anos escreve sobre o crime organizado.

Massenprotestaufruf in Madrid 29 September 2012

Espanhóis protestam contra medidas de austeridade

Demanda por transparência

Os escândalos de corrupção ocorrem num momento em que a Espanha enfrenta a pior crise econômica desde o fim da ditadura. Mas o anúncio de que o governo quer combater a corrupção é visto com desconfiança por muitos espanhóis.

"Há meses não recebemos uma resposta convincente sobre o que o governo realmente está fazendo contra a economia paralela, desvio de fundos públicos e corrupção", acusa Victoria Anderica, da Access Info Europe, uma organização que luta por mais transparência na Europa. Ela propõe, por isso, que a planejada nova lei espanhola sobre transparência, visando criar um maior controle público sobre os processos econômicos e burocráticos, também regule a questão das finanças partidárias. Atualmente, a legislação permite controlar apenas o movimento financeiro das contas de políticos isolados.

O especialista financeiro alemão Frank Abegg, que trabalhou por décadas no setor bancário espanhol, acredita que o problema da crescente corrupção espanhola também está ligado à lentidão da Justiça. "A máquina administrativa é tão lenta que os réus têm tempo suficiente para apagar rastros antes que seja aberto um processo judicial", afirma, acrescentando ser impensável ocorrer na Espanha o mesmo que na Alemanha, onde a polícia fez uma batida sem aviso prévio na sede do Deutsche Bank, devido a uma suspeita de fraude.

Thema Korruption in Spanien

Um dos alvos das críticas é o Tribunal de Contas

Procurando iniciativas políticas

Nesse contexto, a imprensa espanhola tem repetidamente criticado a falta de independência do poder judiciário, acusando-o de ser usado como instrumento político. O silêncio de instituições democráticas como o Tribunal de Contas também vem sendo debatido intensamente.

"Precisamos definitivamente de mais transparência em todas as esferas da vida pública", reivindica Miguel Córdoba. O economista, que leciona numa universidade particular em Madri e também é responsável pelas finanças de uma empresa, acredita que muitas empresas faziam sua contabilidade de forma muito "criativa". Até mesmo grandes corporações interpretam, segundo ele, as disposições da lei de forma muito generosa e, muitas vezes, nos limites da legalidade.

O escritor espanhol Leon Arsenal vai ainda mais longe. Ele acredita que o Judiciário não pode aplicar sentenças por estar, ele mesmo, implicado no envolvimento que existe entre empresas e Estado. "Então, haverá perdão a banqueiros e muitos arquivamentos de processos." Arsenal acredita que até mesmo os sindicatos foram comprados. Por isso, ele pretende fundar um novo movimento político de esquerda, como alternativa aos dois maiores partidos, o PSOE e PP, que governam o país desde o fim da ditadura. "Precisamos demolir tudo para poder construir de novo." A Espanha tem grandes obras de reforma pela frente.

Autora: Stefanie Müller (md)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais