1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Escândalo na Fifa domina redes sociais

Prisão de dirigentes se torna assunto mais comentado no Twitter. Organizações de combate à corrupção, jogadores, entidades esportivas e jornalistas pedem mudanças na entidade e no futebol brasileiro.

A

prisão de sete altos dirigentes do futebol mundial

, entre eles o ex-presidente e atual vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin, chegou a ser o assunto mais comentado no Twitter nesta quarta-feira (27/05).

Organizações de combate à corrupção, jogadores, entidades esportivas e jornalistas se manifestaram sobre as prisões e a investigação realizada pela Justiça dos Estados Unidos sobre um suposto esquema de pagamento de propina a cartolas.

A ONG Transparência Internacional, que combate a corrupção, afirmou que as prisões não chegam a ser exatamente uma surpresa. Uma pesquisa da organização divulgada recentemente mostrou que 69,2% dos entrevistados não confiam na Fifa.

A organização pediu ainda o adiamento das eleições para a presidência da Fifa e a renúncia de Joseph Blatter em prol de uma "boa governança do futebol".

O movimento Bom Senso FC, que defende mudanças no futebol brasileiro, afirmou nas redes sociais que a credibilidade da administração do esporte está sendo "contestada internacionalmente" e defendeu que a CBF deve explicações ao povo brasileiro.

O grupo ressaltou em sua página no Facebook que a prisão de Marin é o momento para que a corrupção no futebol brasileiro seja discutida e investigada. O movimento também usou a prisão de Marin e episódios recentes para reivindicar mudanças no esporte.

O jornalista alemão Jens Weinreich, que investiga corrupção no esporte, acompanhou a coletiva de imprensa da Fifa sobre as prisões e, em sua conta no Twitter, criticou a posição da entidade ao afirmar que Blatter não está envolvido. Para Weinreich, foi o francês quem construiu o sistema.

Críticas abertas a José Maria Marin e ao presidente da Fifa foram feitas pelo ex-jogador de futebol e atual senador Romário (PSB-RJ). Ele declarou esperar que Blatter também seja preso e parabenizou a iniciativa americana.

Outro ex-jogador que comentou as denúncias foi Leonardo. O ex-diretor de futebol do Paris Saint-Germain e do Milan disse que o escândalo da Fifa é uma vergonha para o esporte.

Já o rival de Blatter na corrida pela presidência da Fifa, o príncipe jordaniano Ali bin al-Hussein, aproveitou o escândalo para afirmar que a entidade precisa de uma nova liderança que "assuma a responsabilidade por suas ações e não transfira culpa". Hussein ressaltou que a crise não é nova e que precisa chegar ao fim.

A CBF se manifestou pelo Twitter e disse que apoia "integralmente toda e qualquer investigação" e reafirmou "seu compromisso com a verdade e a transparência".

O tópico Fifa foi o mais comentado no Twitter. Marin e Esquivel também entraram na lista mundial dos dez assuntos mais citados. No Brasil, Fifa e Blatter figuraram entre os temas do dia.

Leia mais