1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Escândalo expõe elo polêmico entre serviços secretos e redes sociais

Revelações sobre sistema de espionagem dos EUA na internet testam a fronteira estreita entre a privacidade e a coleta de dados. Ex-chefe de segurança do Facebook hoje trabalha para a inteligência americana.

A extensão da coleta de dados da Agência Nacional de Segurança (NSA) é como uma mania de Washington – amigos seriam espionados como inimigos. E a fonte de toda essa informação tem menos de dez anos de existência, mas já se infiltrou em quase todas as esferas da nossa vida: as mídias sociais.

A fronteira entre a privacidade e a coleta de dados é estreita e – como foi provado – permeável. Em maio, o New York Times noticiou que, em 2010, Max Kelly, ex-chefe de segurança do Facebook, trocou seu emprego na empresa por um na NSA, uma das mais obscuras agências federais americanas, responsável por operações secretas de espionagem digital.

A mudança do chefe de segurança da maior plataforma mundial de mídia social para um cargo público aconteceu apenas alguns meses depois que a NSA passou a acessar os dados do Facebook através do programa de vigilância de dados Prism. A troca de emprego de Kelly permaneceu secreta durante três anos – e mostra claramente a proximidade das relações entre o serviço de inteligência dos EUA e as redes sociais.

"O Vale do Silício possui algo que o serviço secreto precisa: uma enorme quantidade de dados pessoais e os mais sofisticados softwares existentes para analisá-los", escreve o New York Times.

No crescente mercado de análise de dados, a NSA é um dos maiores clientes do polo de Tecnologia de Informação (TI). E, como lembra o NYT, a agência federal se transformou num investidor de capital de risco, tendo aplicado parte de seu orçamento (estimado em 6 bilhões de dólares) em startups do Vale do Silício.

USA Hauptquartier NSA Fort Meade

NSA e outros serviços secretos investem há muito tempo no Vale do Silício

Cooperação sigilosa

As agências de inteligência estatais sempre correram atrás de dados e informações, e as firmas de TI já vendem há bastante tempo sua expertise e equipamentos ao governo dos EUA. No entanto, os dados de clientes são cada vez mais importantes para empresas comerciais e o marketing do consumidor delas. Um lado precisa de informações, o outro visa ao lucro. Junto aos rápidos avanços na tecnologia de armazenamento de dados, isso cria condições perfeitas para uma cooperação benéfica para ambos os lados.

"Comerciantes online dos EUA possuem coleções abrangentes de dados personalizados, assim como a aparelhagem relacionada ao público alvo, eles podem coletar dados quase o dia todo e nos acessar", explica Jeffrey Chester, diretor da ONG Centro de Democracia Digital, em Washington. "Não é que fornecemos voluntariamente os dados. O debate sobre o programa Prism deveria se concentrar no crescimento dos impérios de dados comerciais, que não têm de dar satisfação a ninguém e concentram as tecnologias necessárias que possibilitam tais ações".

Para Chester, a ligação entre as mídias sociais e as autoridades governamentais não é algo novo. "Entre as empresas de telefonia e as agências do governo sempre houve uma porta de comunicação", diz o ativista. "Empresas como Google e Yahoo procuram ativamente encomendas do Departamento de Defesa".

Chester afirma ser preocupante que a NSA tenha recrutado alguém do alto escalão do Facebook. "A NSA apenas copia o que as mídias sociais já fazem com sua vigilância". O Facebook e seus parceiros, prossegue o ativista, afirmam que a rede social seria um meio de capacitação, mas a rede “também é usada em grande escala para o extenso controle político e social".

A extensão total da cooperação da NSA com as mídias sociais continua a ser um mistério. No entanto, as possibilidades tecnológicas das redes são bastante conhecidas.

"Elas apreendem a real posição geográfica e a história. Os serviços online estão ávidos por expandir ainda mais o acesso às informações de usuários", diz o diretor da ONG em Washington. "Eles instalaram 'centrais de comando' para controlar e analisar as redes sociais."

Simon Weiss, do Partido Pirata alemão, vê uma necessidade urgente de mais transparência sobre a relação das mídias sociais com agências governamentais. "Mas sem informação pública, podemos somente especular sobre a extensão e a exata natureza da cooperação”, pondera. “Por meio do último 'relatório sobre transparência' do Google, sabemos que o número de pedidos de informações às redes sociais por parte de agências governamentais aumenta constantemente.”

Quantas vezes determinados dados são acessados e em que base são informações que deveriam ser fundamentadas em informações fornecidas voluntariamente pelas empresas de internet, alerta Weiss. "As autoridades competentes devem ser obrigadas a comunicar algo assim ao público".

Edward Snowden auf der Flucht

Revelações de Edward Snowden acirraram debate sobre coleta ilegal de dados

Necessidade de reestruturação

Também para Carl Miller, diretor de pesquisa do Centro de Análise da Mídia Social do think tank britânico Demos, as revelações sobre Max Kelly realmente não surpreenderam. Ele diz que o conhecimento para poder utilizar as tecnologias de análise de dados a fim de compreender as mídias sociais não está mais centrado no governo.

"Nós descobrimos que deveria haver uma estrutura que permitisse ao governo acessar esse conhecimento no lugar onde ela está mais concentrada – no setor privado", afirma.

No entanto, como foi mostrado pelas revelações de Snowden, existe uma grande diferença entre aquilo que realmente acontece e o que é dito ao público. As redes sociais gostam de afirmar que só entregam informações às agências governamentais quando são obrigadas por lei a fazê-lo. Na verdade, segundo o New York Times, as próprias redes sociais também tomam a iniciativa. Elas criam equipe de especialistas próprias com a tarefa de descobrir como os dados podem ficar ainda mais acessíveis às agências do governo.

Os programas de vigilância em si não seriam o problema, mas sim o sigilo em torno deles, afirma Miller. Até pouco tempo, Prism e Tempora eram desconhecidos. As redes sociais e os serviços de inteligência poderiam ser muito úteis para a segurança pública, mas tudo deveria ocorrer num contexto público, explicou o diretor de pesquisa. "Em muitos casos, tem-se a impressão de que isso acontece sem o conhecimento e consentimento da sociedade, e isso é motivo de preocupação."

Para Miller, a razão pela qual as forças de segurança estão tão ansiosas em se apossar de dados das redes sociais é óbvia. Ele lembra que transferiu-se a completa vida social para essas plataformas: "Todas as coisas boas como a cooperação, a colaboração, debates, mais também os lados ilegais e problemáticos." As autoridades deveriam pensar em algo para garantir a segurança, adverte Miller, pois as redes sociais facilitam a vida de criminosos e estão se tornando cada vez mais um espaço da criminalidade.

"Talvez precisemos de algo excepcionalmente democrático, algo como uma banca de jurados, onde, por exemplo, 50 pessoas escolhidas aleatoriamente, que são posteriormente avaliadas, decidem em nosso nome durante seis meses se os passos que estão sendo tomados são adequados e necessários", sugere.

Leia mais