Escândalo de tabloide inglês cria problemas para o premiê David Cameron | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Escândalo de tabloide inglês cria problemas para o premiê David Cameron

Andy Coulson, ex-editor do jornal "News of the World" e ex-porta-voz de Cameron, é detido em Londres, acusado de envolvimento no escândalo de escutas telefônicas. Premiê anuncia investigação independente do escândalo.

Cameron assume responsabilidade pela contratação de Coulson

Cameron assume responsabilidade pela contratação de Coulson

O escândalo em torno do tabloide inglês News of the World (NotW) se torna cada vez mais embaraçoso para o primeiro-ministro britânico, David Cameron. Nesta sexta-feira (08/07), o jornalista Andy Coulson, ex-porta-voz de Cameron e ex-editor do jornal, foi detido em Londres.

Coulson demitiu-se em 2007 da direção do semanário após a condenação de um jornalista e de um investigador particular no escândalo de escutas telefônicas feitas por repórteres do NotW, um jornal sensacionalista que circula apenas aos domingos e vende 2,7 milhões de exemplares.

Andy Coulson foi detido em Londres

Andy Coulson foi detido em Londres

Apesar do escândalo, Coulson foi contratado pelo Partido Conservador para ajudar o líder David Cameron na estratégia de comunicação que contribuiu para a vitória nas eleições de 2010. Com a vitória, Cameron chamou Coulson para integrar sua equipe de governo.

Na época, Coulson afirmava não saber de nada, mas, com a ampliação do escândalo, ele deixou a equipe de Cameron em janeiro passado. Nesta sexta-feira, ele foi detido, acusado de envolvimento no escândalo durante o período em que foi editor do jornal, de 2003 a 2007.

A repercussão do caso levou Cameron a convocar uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira. "A decisão de contratá-lo [Coulson] foi minha e apenas minha, e eu assumo toda a responsabilidade por ela", declarou Cameron em Londres.

Ela anunciou uma investigação independente do escândalo de escutas telefônicas do News of the World. Uma segunda comissão de investigação deverá se ocupar da regulação do setor de mídia britânico.

"The Sun" aos domingos

Capa do tabloide semanal News of the World

Capa do tabloide semanal "News of the World"

O News of the World, fundado em 1843, faz desde 1969 parte do conglomerado de mídia News Corp, do magnata americano Rupert Murdoch. Por causa do escândalo, a News Corp anunciou nesta quinta-feira o fechamento do jornal. A última edição vai circular neste domingo.

Há, porém, inúmeras especulações na imprensa internacional sobre os reais motivos por trás da decisão de Murdoch.

Uma delas seria a intenção, que Murdoch teria já há muito tempo, de ampliar a circulação para os domingos do jornal The Sun, um tabloide sensacionalista que também pertence à News Corp. Hoje, o jornal circula de segunda a sábado.

Segundo essa teoria, o NotW só atrapalharia os planos de Murdoch de expandir a circulação do The Sun e o jornal semanal seria fechado de uma forma ou de outra. O Sun é o jornal de maior tiragem do Reino Unido.

TV por cabo: negócio mais lucrativo

Outro provável motivo é o temor de que o escândalo atrapalhe as tentativas de Murdoch de obter o controle da operadora de TV a cabo BSkyB. A News Corp já é dona de 39% da operadora, e precisa de aprovação do governo britânico para ampliar sua participação, num negócio de 14 bilhões de dólares.

O governo de Cameron havia dado sinais de que concorda com o negócio, apesar de críticas da oposição de que a aquisição daria muito poder a Murdoch. Com o escândalo em torno do News of the World, a aprovação governamental pode não se concretizar.

Analistas estimam que o NotW fature 10 milhões de libras (cerca de 11,2 milhões de euros) por ano e que o controle da BSkyB renderia até 100 vezes mais do que isso a Murdoch.

AS/afp/rtr/lusa/dpa
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais