Erupção vulcânica na Islândia não tem previsão de acabar, dizem especialistas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Erupção vulcânica na Islândia não tem previsão de acabar, dizem especialistas

A nuvem de cinzas vulcânicas que cobre parte da Europa e que voltou a provocar o cancelamento de aproximadamente mil voos nesta segunda-feira pode se estender por tempo indeterminado, dizem pesquisadores islandeses.

default

Nuvem de cinzas atinge oito quilômetros de altura

A erupção do vulcão islandês Eyjafjöll , que começou no dia 14 de abril, já chegou três vezes ao ápice. "Nos primeiros quatros dias de erupção, depois no dia 5 de maio e agora na última sexta-feira", disse o geofísico islandês Magnus Tumi Gudmundsson. Desde o início da erupção, pesquisadores islandeses estimam que já foram expelidos pelo vulcão 250 milhões de metros cúbicos de cinzas e outros materiais sólidos.

Gudmundsson ressaltou que o processo em andamento na geleira Eyjafjallajökull é uma erupção de grandes proporções, e a maior na Islândia desde a famosa erupção do vulcão Katla (próximo ao Eyjafjöll) em 1918. Para o pesquisador, o processo ainda está em fase ascendente, e na há previsão para que o fenômeno acabe. "Realmente não existe possibilidade de dizer quando a erupção vai parar. Já houve uma porção de atividades sísmicas sob a Eyjafjallajökull, o que significa que o magma ainda está emergindo", diz.

Alguns aeroportos reabriram

O vulcanólogo islandês Björn Oddsson disse que a atividade vulcânica aumentou ligeiramente de sexta-feira para domingo. "A coluna de fumaça cresceu e chega a oito quilômetros de altura", informou. Nos dias anteriores, a nuvem atingia seis quilômetros.

A avaliação dos especialistas chegou juntamente com o alerta de autoridades para o cancelamento de cerca de mil voos na Europa nesta segunda-feira. Os aeroportos de Heathrow e de Gatwick, em Londres, foram reabertos no início da tarde depois de ficarem fechados durante toda a noite. Também os aeroportos de Amsterdã e Rotterdã na Holanda, foram reabertos, mas os de Dublin, Sligo e Donegal, na Irlanda, e Manchester e Liverpool, na Inglaterra continuavam bloqueados.

NO FLASH Flugzeugstart nach Flugverbot

Lufthansa fez voos de teste para avaliar concentração de cinza vulcânica no espaço aéreo europeu

Lufthansa faz voos de teste

Vários testes foram realizados pela companhia aérea alemã Lufthansa no domingo, com um voo de seis horas para avaliar a concentração de fumaça vulcânica no espaço aéreo europeu. Os dados meteorológicos coletados vão ajudar a determinar o risco para aeronaves, caso a fumaça do vulcão islandês volte a pairar sobre a Europa central.

Resultados preliminares de oficiais da aviação na Alemanha sugerem que o espaço aéreo alemão será poupado da nuvem de fumaça na próxima semana. A Lufthansa realizou um voo semelhante no dia 20 de abril, em meio a uma semana caótica para as viagens aéreas na Europa.

Para companhias aéreas, fechamento é exagero

O chefe da companhia aérea British Airways, Willie Walsh, considerou um "grande exagero" o novo fechamento do espaço aéreo por causa da nuvem de cinzas. Walsh disse estar preocupado "porque as decisões de fechar e abrir aeroportos são baseadas em modelos teóricos. Não havia qualquer evidência de cinzas vulcânicas no céu de Londres hoje, mas mesmo assim o Heathrow foi fechado", disse ele nesta segunda-feira.

A nuvem de fumaça inicial manteve no solo dezenas de milhares de voos em todo o continente durante quase uma semana, levando ao maior bloqueio do espaço aéreo desde a Segunda Guerra Mundial. A interrupção nas viagens causou a perda diária de milhões de dólares para as companhias aéreas. Os aeroportos também sofreram perdas financeiras, e passageiros e turistas ficaram retidos durante vários dias.

FF/dpa/ap/afp/lusa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais