1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Erdogan quer se reunir com Putin em Paris

"Gostaria de encontrá-lo frente a frente", afirma presidente turco depois de dias de troca de farpas. Ele chama de desrespeitosas as acusações de apoio ao "Estado Islâmico" feitas pela Rússia.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse nesta sexta-feira (27/11) que gostaria de se reunir com o presidente russo, Vladimir Putin, às margens da Conferência do Clima em Paris. "Gostaria de encontrá-lo frente a frente na segunda-feira", declarou Erdogan, depois de dias de troca de acusações por causa do abate de um avião russo pela Turquia.

A Turquia afirma que o avião invadiu seu espaço aéreo e que os pilotos ignoraram sucessivos alertas, mas a Rússia insiste que a aeronave não cruzou a fronteira e acusa o governo turco de

uma "provocação planejada"

.

"Foi uma resposta automática à violação do espaço aéreo. A Turquia não derrubou a aeronave russa deliberadamente", disse Erdogan. Para ele,

as críticas de Putin à Turquia são inaceitáveis

.

"A Rússia é obrigada a provar suas alegações, do contrário será considerada mentirosa por causa dessas acusações graves e injustas contra a Turquia", disse Erdogan.

O presidente turco disse que essa não foi a primeira vez que jatos russos violaram o espaço aéreo turco e que ele alertara Putin sobre duas incursões anteriores, em outubro. Em resposta, Putin teria dito a ele que os jatos russos deveriam ser vistos como convidados.

Erdogan ainda criticou as investidas russas na Síria, afirmando que os ataques aéreos russos não miram o "Estado Islâmico" e que a Rússia está apoiando o regime do presidente Bashar al-Assad, um "assassino" nas palavras de Erdogan. Segundo ele, apoiar o regime sírio depois de mais de quatro anos de guerra civil e 250 mil mortos é brincar com fogo.

Erdogan também negou a acusação de que a Turquia esteja comprando petróleo do "Estado Islâmico". "A Turquia compra petróleo da Rússia", afirmou Erdogan. Ele disse que as tentativas de associar seu país aos jihadistas são desrespeitosas.

AS/afp/ap

Leia mais