1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Era digital coloca em xeque ensino da caligrafia

Em tempos digitais, necessidade de uma boa escrita à mão é questionada por políticos e educadores, mas há quem defenda a prática como expressão da personalidade e benéfica ao pensamento estruturado.

Assistir ao vídeo 01:50

Pra que ainda aprender caligrafia?

Nas salas de aula da Alemanha, metade dos meninos e um terço das meninas têm dificuldade para escrever com uma caligrafia legível. É o que mostra um novo estudo sobre o desenvolvimento da escrita no país, divulgado recentemente pela Associação Alemã dos Professores.

Uma das causas para o problema é a piora da coordenação motora fina, ou seja, da interação entre mão e dedos, que permite escrever, considera Josef Kraus, presidente da instituição.

"A função motora do polegar ainda é a mais bem desenvolvida, devido ao ato de brincar", disse Kraus durante a apresentação do estudo em Berlim. Mas a escrita à mão não é exercitada o suficiente. O estilo de vida digital das crianças afeta essa prática antiga.

Kraus também condena "os pecados da política e da pedagogia contra a cultura da escrita à mão" – por exemplo, a renúncia a ditados e a crescente tendência de provas de múltipla escolha. Além disso, ele atribui uma parcela da culpa a pais excessivamente cautelosos, que não deixam seus filhos desenvolverem e vivenciarem suas habilidades motoras.

"Expressão da personalidade"

Alguns estados da Alemanha vêm testando há algum tempo se não vale a pena abolir a escrita cursiva e assim tornar as coisas mais fáceis para as crianças. Até o momento, os alunos aprendem primeiro a letra de forma e depois a cursiva e, assim, desenvolvem a própria caligrafia. Esse método pode agora ser extinto: as crianças aprenderiam uma espécie de "letra básica", de forma. Em seguida, aprenderiam a conectar as letras umas com as outras e escrever.

Handschrift Johann Wolfgang von Goethe

Inclinada e repleta de ornamentos: assim era a caligrafia de Johann Wolfgang von Goethe, típica em seu tempo

A líder dos secretários estaduais da Educação na Alemanha, Brunhild Kurth, é contra essa tendência. A digitalização não pode ser contida e, justamente por isso, as escolas precisam garantir "que os alunos desenvolvam um estilo legível e individual de escrita à mão", diz. Para Kurth, a caligrafia é uma "expressão da personalidade" e promove o pensamento estruturado.

A escrita sempre foi uma expressão do desenvolvimento tecnológico e político. Quando, há cem anos, a pena foi substituída pela caneta-tinteiro, as então costumeiras diferenças entre as linhas superiores e inferiores das letras deixaram de ser facilmente colocadas em papel. Isso porque uma pena é flexível, mas a ponta redonda de metal da caneta não.

Por isso, a partir de 1914, foi ensinada a escrita germânica Sütterlin, inventada na antiga Prússia – uma caligrafia com muito menos ornamentos, adaptada à escrita das canetas-tinteiro. A Sütterlin foi abolida posteriormente pelos nazistas, que adotaram o ensino da escrita latina, pois essa poderia ser lida mais facilmente nos territórios ocupados. Durante 600 anos a escrita alemã prevaleceu no espaço linguístico alemão. Com a Sütterlin, desapareceu a última escrita alemã.

Sütterlin

Abolida pelo nazismo, Sütterlin foi a última escrita alemã

Tudo tivera início em 1450, quando Johannes Gutenberg inventou a prensa de tipos móveis e desencadeou uma enorme mudança estrutural: o uso da escrita não estava mais reservado à elite. A internet é constantemente comparada a essa revolução medieval e poderia ter consequências similares.

Klaus vê o perigo de uma nova divisão social, caso a escrita à mão perca importância nas escolas em favor da cultura digital. Pois pais com nível educacional mais elevado provavelmente vão continuar garantindo que seus filhos dominem a antiga técnica da caligrafia.

iPad em vez de caderno?

Na Holanda, as políticas de Educação estão um passo à frente. Nas chamadas "escolas Steve Jobs", as crianças aprendem o conteúdo individualmente nos iPads. Apenas a escrita impressa, ou de forma, é ensinada.

A maioria dos alemães não quer seguir o mesmo caminho: uma pesquisa de opinião divulgada pelo Instituto Allenbach em março último mostrou que dois terços dos cidadãos acham importante que as crianças aprendam, além da letra de forma, a escrita cursiva.

Por outro lado, pais constantemente se relatam espantados com o quão intuitivamente seus filhos aprendem e sabem lidar com equipamentos eletrônicos. Será que, dessa forma, a transmissão de conhecimento ocorre de maneira mais fácil e rápida? Essa questão não pode ser respondida ainda, por falta de dados científicos.

Steve-Jobs-Schule in Sneek, Niederlande

Digitalização no ensino: uma chamada "escola Steve Jobs" em Sneek, na Holanda

Os perigos da escrita digital

O Partido Pirata, legenda alemã que defende a transformação digital, chama a atenção para outro aspecto: com o progresso da digitalização, também deveriam ser ensinadas aos alunos habilidades para se protegerem de perigos, entre elas a criptografia de documentos. "Precisamos de uma sensibilização quanto à proteção de dados", alerta Monika Pieper, deputada do parlamento estadual da Renânia do Norte-Vestfália.

O porta-voz de políticas de Educação do Partido Pirata, Michael Kittlaus, reivindica a presença de responsáveis pela proteção de dados nas escolas, porque sempre há o risco de repasse com documentos digitalizados.

Porém, nem mesmo os piratas desejam a abolição da escrita à mão. Kittlaus ressalta que a caligrafia não exige uma tecnologia adicional, apenas uma caneta. No entanto, a caligrafia perderá importância, aposta Pieper.

Em vez de um discussão entre sim ou não, deve-se investigar para que serve a escrita à mão e onde ela ainda é necessária. Longas cartas são cada vez menos comuns, mas bilhetes e listas de compras não, diz a deputada.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados