1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Equipes resgatam mais barcos no Mediterrâneo

Embarcações que procuram sobreviventes de navio que afundou próximo à costa da Líbia com 600 refugiados a bordo são chamadas para responder a outras emergências. Pelo menos 200 pessoas estão desaparecidas.

Um dia após um

barco lotado

de refugiados virar próximo à costa da Líbia, a equipe de resgate internacional que procura sobreviventes da tragédia no Mediterrâneo foi chamada nesta quinta-feira (06/08) para resgatar outras embarcações à deriva na região.

"Estamos testemunhando um genocídio causado pelo egoísmo europeu", afirmou o prefeito da cidade italiana de Palermo, Leoluca Orlando, assim que o navio da Marinha irlandesa atracou, trazendo a maioria dos aproximadamente 400 migrantes resgatados da embarcação que afundou na quarta-feira.

As equipes também resgataram o corpo de 25 pessoas que morreram na tragédia. De acordo com o relato de sobreviventes, estima-se que a embarcação transportava mais de 600 pessoas no momento do acidente. Cerca de 200 continuam desaparecidas.

Orlando pediu também que os líderes europeus façam mais para prevenir esse tipo de tragédia e abram seus países para mais refugiados de guerra.

Fronteira mortal

O Mar Mediterrâneo é a fronteira mais mortal do mundo para migrantes. Mais de

2 mil pessoas

já morreram neste ano tentando atravessá-la para chegar à Europa. De acordo com dados divulgados pela ONU nesta quinta-feira, cerca de 224 mil migrantes conseguiram completar esse trajeto e alcançar a União Europeia (UE).

Esse número é o maior já registrado e representa um aumento significativo no fluxo migratório em relação ao ano passado. Cerca de 219 mil migrantes chegaram à Europa por essa rota durante todo o ano de 2014.

"O que temos na porta da Europa é uma crise de refugiados", afirmou o porta-voz da ONU William Spindler.

Autoridades europeias afirmaram nesta quinta-feira que não há uma resposta simples para os desafios da migração e que é preciso uma ação coletiva.

"O que nós precisamos agora é a coragem coletiva para seguir com ações concretas", diz um comunicado assinado pelo vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, pela chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, e pelo comissário para Migração e Assuntos Internos, Dimitris Avramopoulos.

CN/rtr/afp/dpa/ap

Leia mais