1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Equipes indonésias retiram cauda de avião da AirAsia do mar

Grande destroço não continha caixas-pretas, mas comandante acredita que estejam por perto. Sinais são detectados pelo segundo dia consecutivo. Até o momento, foram encontrados corpos de 48 das 162 vítimas.

Equipes de resgate e buscas da Indonésia retiraram do mar neste sábado (10/01) grande parte cauda do avião da AirAsia que havia desaparecido há cerca de duas semanas. Entretanto, as caixas-pretas ainda não foram localizadas.

A cauda havia sido descoberta na última quarta-feira, a cerca de 30 quilômetros de onde o voo QZ8501 fez contato pela última vez. O grande destroço de metal vermelho com os dizeres "AirAsia" foi erguido até a superfície com a ajuda de balões infláveis e colocado num navio.

As caixas-pretas ficam localizadas na cauda do avião, mas devem ter se deslocado quando o Airbus caiu na água, disse o comandante Moeldoko, que, como muitos indonésios, usa apenas um nome.

Moeldoko afirmou, porém, estar "confiante de que as caixas-pretas não estejam longe da cauda". Pelo segundo dia consecutivo, foram detectados sinais que se acreditam vir dos dispositivos que contêm gravações de voz e dados do voo.

Os sinais são emitidos pelas caixas-pretas durante 30 dias, até que as baterias acabem. Isso significa que as equipes têm cerca de duas semanas para encontrá-las. A recuperação das caixas-pretas é essencial para decifrar a causa da queda do avião, com 162 pessoas a bordo.

Até o momento, 48 corpos foram recuperados no Mar de Java, perto da ilha de Bornéu, – ao menos dois deles presos aos assentos pelos cintos de segurança. O responsável pelas operações de busca, Suryadi B. Supriyadi, disse estar focado em encontrar a principal parte da fuselagem do avião, onde a maioria dos corpos deve estar.

O voo QZ8501 sumiu dos radares cerca de uma hora depois de decolar do aeroporto internacional de Juanda, em Surabaia, na Indonésia, no último dia 28 de dezembro. O avião desapareceu logo após o comandante solicitar permissão para subir da altitude de 32 mil para 38 mil pés, com o objetivo de desviar de nuvens densas.

LPF/rtr/ap

Leia mais