1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Equador quer que OEA e Unasul se pronunciem sobre caso Assange

Governo britânico ameaça revogar status diplomático da embaixada equatoriana em Londres após governo em Quito conceder asilo diplomático ao fundador do site Wikileaks.

O Equador convocou reuniões de emergência da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) para analisar o caso envolvendo o fundador do site Wikileaks, Julian Assange, que nesta quinta-feira (16/08) recebeu asilo diplomático do país. A concessão irritou o Reino Unido, que agora ameaça revogar o status diplomático da embaixada equatoriana em Londres, onde Assage está refugiado desde o dia 19 de junho.

Nesta sexta-feira, policiais britânicos fazem plantão na porta da embaixada à espera do ativista. Segundo um porta-voz do corpo diplomático, Assange deve dar uma declaração pública na tarde deste domingo, mas não foram dados detalhes sobre como isso será feito pois, se deixar o prédio, o australiano de 41 anos será preso.

O Equador convocou os ministros do Exterior da Unasul para uma reunião em Guayaquil, no próximo domingo, segundo uma fonte diplomática brasileira. Já o Conselho Permanente da OEA deve votar nesta sexta-feira o pedido equatoriano para que o órgão analise a situação.

O governo equatoriano afirma que o asilo foi concedido porque até agora não foram dadas garantias dos governos britânico e sueco de que Assange não será extraditado para os Estados Unidos, onde ele correria risco de vida. Em 2010, o Wikileaks divulgou informações sigilosas do governo norte-americano. O ativista ainda acusa seu país de origem, a Austrália, de falhar em protegê-lo.

O Reino Unido quer prender Assange e deportá-lo para a Suécia, onde ele responde por acusações de estupro e abuso sexual.

Posições divergentes

A embaixadora do Equador na OEA, Maria Isabel Salvador, propôs que, devido à "sensibilidade" do tema, a consulta ao órgão seja realizada na próxima quinta-feira em Washington.

É grande o movimento de jornalistas, policiais e ativistas na frente da embaixada do Equador em Londres

É grande o movimento de jornalistas, policiais e ativistas na frente da embaixada do Equador em Londres

O pedido equatoriano obteve respaldo imediato por parte de alguns países sul-americanos, como a Argentina, cujo embaixador na OEA, Martín Gómez Bustillo, ressaltou que o Reino Unido "frequentemente não tem ouvido os chamados da comunidade internacional", citando como exemplo o caso das Ilhas Malvinas.

O embaixador venezuelano na organização, Roy Chaderton, também advertiu que uma invasão na embaixada equatoriana em Londres "equivaleria a uma agressão, uma invasão do território equatoriano".

Já o representante dos Estados Unidos, William McGlynn, rejeitou um encontro para avaliar o caso, afirmando que não serviria "a nenhum propósito útil, pois este é um assunto entre Equador, Reino Unido e Suécia". A OEA, segundo ele, "não tem nada a ver com isso".

A representação canadense também considerou que o órgão "não é o lugar mais apropriado" para discutir o assunto, uma vez que o Reino Unido não faz parte da organização.

Reprovável e inaceitável

A ameaça britânica de revogar o status diplomático da embaixada equatoriana em Londres foi classificada como insólita, reprovável e inaceitável por parte do embaixador do Equador em Berlim, Jorge Jurado.

"Desde a invasão das Malvinas, em 1982, este é o passo mais importante e mais dura que o governo britânico dirige à América Latina – porque isso não se dirige apenas ao Equador", afirmou o diplomata equatoriano à DW. "Pode ser um precedente para qualquer outro tipo de agressão a instituições que há muitos anos são reconhecidas como invioláveis."

Ainda que a convenção de Viena de 1961 garanta a inviolabilidade das representações diplomáticas, as quais o país anfitrião só pode acessar com aprovação do chefe da missão diplomática em questão, as autoridades britânicas se amparam numa lei de 1987, segundo a qual a polícia pode entrar numa embaixada de um país estrangeiro quando suas instalações são usadas ilegalmente – o que é o caso, segundo a avaliação britânica, já que os juízes do Reino Unido declararam a extradição do ativista para a Suécia.

MSB/dpa/lusa/rtr/afp/dw
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais