1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Entre euforia e frustração: os alemães e 'seu' papa

Bento 16 retorna à sua terra natal em visita de caráter semi-oficial. Ressurgem as lembranças da euforia manifestada durante a Jornada Mundial da Juventude. Mas, em meio ao entusiasmo, há também sinais de arrefecimento.

default

Bento 16 em meio às bandeiras da Baviera

Um céu de azul intenso brilhava sobre a ensolarada Munique na chegada do papa Bento 16, na tarde deste sábado (09/09), para uma visita de seis dias. Recebido no aeroporto pelo presidente da Alemanha, Horst Köhler, pela chanceler federal, Angela Merkel, e pelo governador da Baviera, Edmund Stoiber, Bento 16 ressaltou a motivação pessoal de sua viagem.

"É com o coração emocionado que piso, pela primeira vez desde que assumi a cátedra de São Pedro, o solo da Baviera."

Mais de um ano e meio se passou desde a eleição do cardeal Joseph Ratzinger para Sumo Pontífice da Igreja Católica, em abril de 2005, um acontecimento que levou o popular Bild a estampar em letras garrafais a manchete: "Nós somos papa". E a Jornada Mundial da Juventude, encontro de Bento 16 com jovens de todos so continentes em Colônia que adquiriu o caráter quase de um festival pop, também já se passou há mais de um ano.

A relação dos alemães para com 'seu' papa tem sido surpreendentemente menos tensa do que a que muitos católicos tinham antes em relação ao cardeal em sua função de prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé.

Warten auf Papst Benedikt

Bavaros à espera do papa em Munique

A chegada do sumo Pontífice atraiu dezenas de milhares para as ruas do centro da capital da Baviera. Mas há sinais de que o orgulho e a euforia iniciais deram lugar a uma normalização da relação.

Mesmo confirmando a alegria dos católicos da Alemanha com o fato de um alemão ter se tornado papa, o secretário-geral do Comitê Central dos Católicos Alemães, Stefan Vesper, relativiza: "A nacionalidade do papa tem importância para os cristãos católicos nos respectivos países, mas a personalidade do papa é mais importante ainda".

Ecumenismo, esperança difícil de se concretizar

Um avanço na aproximação entre cristãos católicos e luteranos é um desejo de muitos na Alemanha, expresso também pelo presidente Köhler na chegada de Bento 16 a Munique neste sábado (09/09). "Há muito mais coisas nos unindo do que nos separando", declarou Köhler, que é luterano como também a chanceler federal Merkel.

Nikolaus Schneider, da Igreja Luterana da Renânia, vê até certo ponto a chance de um entendimento mais fácil, por se tratar de um papa que vem do mesmo meio cultural e lingüístico. A proximidade se manifesta no diálogo dos alemães com este papa, diz ele. Mas o fato de Bento 16 defender ferrenhamente a autoridade da doutrina e do direito da Igreja Católica Romana lhe dá pouca esperança de um avanço na questão ecumênica.

Frustração também entre católicos

BdT Papstbesuch Weizenfeld

A imagem de Bento 16 num campo de trigo nas proximidades do aeroporto de Munique

Os itens que preocupam as organizações católicas na Alemanha são outros. Um exemplo: ainda em junho último, a Conferência dos Bispos Alemães proibiu – certamente atendendo ao Vaticano – que leigos atuantes em organizações da Igreja se engajassem na Donum Vitae, uma iniciativa para o aconselhamento de mulheres grávidas em situação de conflito, ou seja, desejosas de abortar. O impulso para a criação dessa iniciativa partira justamente do ZdK.

Além disso, o atual prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, cardeal William Joseph Levada, instou a Conferência dos Bispos Alemães a rechaçar uma resolução em que o ZdK exigia maior direito de decisão e participação para os leigos católicos.

Em ambos os acasos, a reação do ZdK foi moderada. Talvez pelo fato de o papa ser alemão? Em todo o caso, Stefan Vesper defende que a crítica objetiva aos mandatários da Igreja não seria sinal de falta de lealdade. E o secretário-geral do ZdK alimenta ainda a esperança de que "também na Igreja Católica, tenha validade o princípio de aquele que tem um cargo importante e é prudente estará aberto a palavras francas de seus – digamos – subalternos".

Leia mais