′Ensaio sobre a cegueira′ é visto pela imprensa alemã | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 15.05.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

'Ensaio sobre a cegueira' é visto pela imprensa alemã

Filme de Fernando Meirelles abre Festival de Cinema de Cannes e provoca reações diversas da mídia alemã.

default

'Blindness', de Fernando Meirelles, em Cannes

A abertura do "festival do sol e da claridade", na Côte D'Azur, exatamente por Blindness – Ensaio sobre a cegueira, de Fernando Meirelles, foi criticada por vários jornais alemães, embora muitos deles tenham também elogiado o longa do diretor brasileiro. Leia abaixo alguns dos comentários publicados pela imprensa do país.

Terror para os ouvidos

"No esforço de preencher todo o vazio emocional, Ensaio sobre a cegueira provoca compulsoriamente outras deficiências. A música ensurdecedora faz de tudo até o terror do tinitus, a fim de descrever o horror sensorial das personagens, fazendo uso, nos momentos de harmonia, de um kitsch de caixinha de música da pior qualidade. E a voz narrativa, colocada em ação tardiamente, só pode então, naquele momento, ser compreendida como a capitulação da mise en scène até o – exaurido – happy end, para o qual contribui até um terrier gracioso e peludo ". ( Der Tagesspiegel)

Manifesto anti-Cannes

"Em sua adaptação de Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago, o brasileiro [Fernando] Meirelles esboça um anti-Cannes infernal: a sujeira se acumula nas ruas, há urina nos corredores e no lugar de saltos altos sobre os tapetes vermelhos, as pessoas descalças tropeçam sobre montes de excremento. Pior ainda é a degradação interior, que se instaura mais e mais, já que não há cachorro de deficientes visuais que consiga guiar a orientação moral do homem. [...] Ver pode ser muito doloroso. Isso já pôde ser percebido muitas vezes nos filmes exibidos em Cannes. Mais doloroso ainda é, porém, quando um diretor recorre às palavras para auxiliar suas imagens. Quando Julianne Moore, no fim do filme, quer fechar os olhos, a fim de não ter que enxergar mais a miséria, a atriz começa um comentário loquaz, explicando aos espectadores o que a personagem sente e pensa. Quem faz filmes, precisa com freqüência acreditar cegamente naquilo que vê". ( Der Spiegel)

Fidelidade a Saramago

"Meirelles permanece fiel a Saramago, ao não transformar a concepção da sociedade do escritor num espetáculo de efeitos especiais. Mesmo quando os prisioneiros, ao fim do filme, fogem e saem andando pela cidade apocalíptica, Meirelles resiste ao impulso de cair no lamaçal de imagens de destruição e loucura. Seus protagonistas não são tampouco somente substitutos para as teses de Saramago acerca do homem, mas principalmente indivíduos, aos quais é permitido um desenrolar no decorrer de duas horas de filme". ( Die Welt)

O retorno da distopia

"No primeiro dia do Festival de Cannes, que por sua vez já constrói um mundo paralelo, retorna a distopia: Ensaio sobre a Cegueira, a contribuição de Fernando Meirelles, permite imaginar este mundo distópico. Um estado em que as regras da civilização não valem mais, no qual a normalidade está suspensa e no qual as instituições fracassam – um estado que emoldura vários filmes, como Filhos da Esperança [no original Children of Men], de Alfonso Cuarón, ou Wolfzeit, de Michael Hanecke". ( taz, die tageszeitung)

Falta de ruídos e excesso de música

"Mas, afinal, tão sujos os personagens assim também não parecem e, de alguma forma, não há como se livrar da impressão de que Meirelles não teve coragem de chegar à margem do dizível, à qual deveria ter ido, se tivesse realmente seguido Saramago. Ele não criou, por exemplo, nenhum universo de ruídos, mas preencheu o som com pequenas gotas de música. E manteve tudo o que acontece bem longe do nosso corpo. Sendo que é exatamente dessa corporeidade inevitável que precisamos, pela qual o cinema é, na verdade, responsável, a fim de que possamos compreender aquelas pessoas das quais nos separa apenas um olhar nebuloso, continuamente fornecido a nós pela câmera. Os cegos não têm um olhar nebuloso, eles não vêem nada. E Julianne Moore, como única vidente, vê tudo perfeitamente". ( Frankfurter Allgemeine Zeitung)

Leia mais