Energia e economia são prioridades da presidência tcheca da UE | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Energia e economia são prioridades da presidência tcheca da UE

A República Tcheca assumiu a presidência da União Europeia no início de 2009. Economia, Energia e Europa são as três prioridades do país, que substituiu a França no mandato de seis meses.

default

Montagem com as bandeiras da União Européia e da República Tcheca

"Economia, energia e as relações da Europa no cenário mundial são os nossos temas para os próximos seis meses. Deles esperamos bons resultados", declarou o vice-primeiro-ministro da República Tcheca, Alexandr Vondra. Nesta quinta-feira (1/1), o país assumiu a presidência da União Europeia (UE).

As prioridades anunciadas por Vondra compõem, na verdade, um programa bastante amplo, e o governo tcheco já prevê duras negociações entre os países do bloco, inclusive nos bastidores. Na prática, a República Tcheca quer conduzir os outros chefes de Estado europeus a compromissos em questões essenciais, sobre as quais discussões acaloradas já foram traçadas devido a interesses nacionais.

EU Außenministerkonferenz zu Kosovo

Alexandr Vondra: mediação com países do leste europeu

A atuação contra a crise econômica, por exemplo, receberá atenção especial. Segundo Vondra, há três tarefas a serem empreendidas na economia. "Primeiro, temos de resolver os problemas da crise financeira; segundo, desenvolver um plano para fortalecer a economia da União Europeia; terceiro, conduzir a discussão de uma reforma do sistema financeiro internacional."

Quanto ao terceiro ponto, os tchecos não tiveram tempo suficiente para se preparar, já que a reforma do sistema financeiro só entrou recentemente na agenda mundial. Mas quanto à política externa, o caso é diferente. Neste assunto, a República Tcheca já definiu os seus principais pontos, que permanecem inalterados com a crise.

De um lado, serão discutidos em Praga os eixos centrais para a colaboração entre a União Europeia e o novo governo dos Estados Unidos. De outro, a política externa europeia deve se voltar para o Leste. "Vamos continuar nossas negociações com a Rússia e detalhar os planos da parceria da União Europeia com os países do Leste Europeu", explicou Vondra.

Por causa de sua posição geográfica, a República Tcheca se vê como um boa mediadora entre a UE e o Leste Europeu. Entre os temas estão os possíveis acordos com países como a Ucrânia e a perspectiva de uma futura expansão da União Europeia.

Leia mais