Encontro extraordinário em Bruxelas busca saídas para evitar novo caos aéreo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Encontro extraordinário em Bruxelas busca saídas para evitar novo caos aéreo

Ministros de Transporte da União Europeia querem apressar implantação do projeto Espaço Aéreo Único Europeu. Desenvolvimento de sistema de medição de cinzas vulcânicas no ar também faz parte de proposta alemã.

default

Cinzas voltaram a atrapalhar tráfego aéreo

O problema em debate no encontro de ministros de Transportes da União Europeia impediu a chegada do representante irlandês: Noel Dempsey cancelou a ida a Bruxelas nesta terça-feira (04/05) porque mais uma vez as cinzas do vulcão Eyjafjalla obrigaram o fechamento do espaço aéreo belga.

Os ministros da UE foram convocados para a reunião extraordinária a fim de discutir propostas para "melhor coordenar e reforçar a reação da União Europeia face aos fenômenos deste tipo", segundo as palavras do ministro espanhol dos Transportes, José Blanco.

As cinzas liberadas nesta terça pelo vulcão islandês perturbaram, novamente, o espaço aéreo europeu: na Irlanda, o tráfego ficou interrompido por seis horas, algumas horas antes da reunião em Bruxelas.

Peter Ramsauer, ministro alemão, defende a adoção de regras coletivas que determinem o fechamento do espaço aéreo em caso de nuvem vulcânica: "Precisamos urgentemente de sistemas para medir a concentração de cinza vulcânica no ar que sejam unificados, claros e consensuais".

Ainda segundo Ramsauer, esse valor-limite deve ser determinado em parceria com a indústria aérea e com os fabricantes de turbinas, para que fiquem estabelecidas em que condições um avião pode levantar vôo o deve ficar no solo. A discussão sobre as chances das companhias aéreas afetadas receberem reembolso pelos danos também consta da pauta do encontro.

Um céu para todos

A reunião extraordinária em Bruxelas também tenta apressar o projeto que cria o Espaço Aéreo Europeu Único, que transformaria os 38 espaços nacionais existentes – com suas próprias regras e regulamentações – em nove espaços regionais.

Kristina Kelek, do Controle Aéreo Alemão (DFS), acredita que o projeto criaria um sistema mais eficiente e dinâmico para as companhias e, consequentemente, para os passageiros: "Isso economizaria tempo, dinheiro, poderíamos ser mais pontuais, eles teriam mais segurança", afirmou.

Aparentemente, todos os países reunidos sob o espaço aéreo comum concordam que a padronização de regras e rotas de voo traria benefícios, da mesma forma que o emprego de um único conjunto de sistemas computacionais. O problema, no entanto, é obter consenso sobre que regras, rotas e sistemas serão esses, e quando aplicá-los.

"Todos consentem com a ideia de harmonizar o sistema, e fazer isso de forma coordenada, contanto que não haja mudanças nos planos de cada um", ressalta Bo Redeborn, diretor de departamento da Eurocontrol, agência internacional que supervisiona a unificação do céu europeu.

"Cinza é cinza"

De fato, nenhuma autoridade europeia quer viver novamente a situação que se instalou em 14 de abril último, quando mais de 100 mil voos foram cancelados e 10 milhões de passageiros ficaram impedidos de seguir viagem.

O Espaço Aéreo Europeu Único simplificaria a tomada de decisões e o alcance das informações. Porém a situação da cinza vulcânica não teria sido diferente com o Espaço Aéreo Europeu Único, afirma Redeborn.

"Cinza é cinza, e cinza nunca foi discutida no contexto do Espaço Único, e isso foi o que dificultou. Não sabíamos quais valores deveriam ser aplicados em termos de concentração de cinza de forma segura."

NP/dw/lusa/dpa/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais