1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Encontradas em Munique, 1.500 pinturas confiscadas por nazistas têm destino incerto

Autoridades querem esclarecer a quem pertencem obras roubadas pelos nazistas, incluindo pinturas de Picasso e Matisse. Acervo, que pode valer 3 bilhões de reais, poderá ser devolvido a aposentado que as guardava.

default

Max Beckmann está entre os pintores considerados 'degenerados' pelos nazistas

Um dia após ter sido divulgada a apreensão de cerca de 1.500 obras desaparecidas de mestres do modernismo, a imprensa alemã especula sobre o destino das pinturas, que segundo reportagem da revista alemã Focus teriam sido encontradas por agentes alfandegários num apartamento em Munique.

Os semanários Die Zeit e Der Spiegel apontam que a coleção talvez até tenha que ser devolvida ao homem de 80 anos que as guardava. As obras chegaram a Cornelius Gurlitt pelo pai, o colecionador de arte Hildebrand Gurlitt, que comprou as pinturas nas décadas de 1930 e 1940.

Entre as obras de arte estão trabalhos de Pablo Picasso, Henri Matisse e Marc Chagall e dos pintores alemães Emil Nolde, Franz Marc, Max Beckmann e Max Liebermann. Segundo a Focus, os nazistas teriam roubado as obras de colecionadores judeus ou as teriam confiscado, designando-as como arte "degenerada".

A agência de notícias DPA informou que o Ministério Público de Augsburg, responsável pela averiguação do caso, não confirmou nem desmentiu a reportagem divulgada pela revista alemã neste domingo (03/11).

Destino incerto

Parentes dos antigos donos das obras esperam há anos pela devolução das pinturas, mas, de acordo com o Zeit, poderão ser decepcionados também neste caso, já que as obras só serão devolvidas se a antiga propriedade for comprovada sem restar dúvida. As complicações surgem porque Gurlitt comprou as obras de forma legítima.

Porém, de acordo com a revista Focus, que publicou o texto sobre a apreensão das obras no fim de semana, as autoridades podem ter encontrado uma brecha legal para devolver as obras aos antigos donos.

Trata-se de uma carta das chamadas "agências de reparação", escrita nos anos 1960 e destinada à viúva de Gurlitt. O texto perguntava sobre o destino de algumas das obras perdidas. A viúva negou que a família estivesse com a posse das obras, mas elas teriam sido encontradas em Munique. Provada a mentira, as autoridades poderiam conseguir devolver as pinturas aos donos originais.

Deutschland Geschichte Ausstellung Entartete Kunst in München mit Adolf Hitler

Adolf Hitler (d) e ministro da Propaganda, Joseph Goebbels (c), visitam exposição de "arte degenerada" em Munique

Apreensão bilionária

De acordo com a Focus, os agentes já haviam investigado o apartamento no início de 2011. Anteriormente, Cornelius Gurlitt chamara a atenção do fisco alemão durante um controle alfandegário em viagem de trem da Suíça para Munique. De acordo com a reportagem, as pinturas apreendidas se encontram agora na ala de segurança da alfândega da Baviera, em Garching, próximo a Munique.

A revista informou ainda que uma historiadora de arte está investigando a origem e o valor das obras, avaliada pela Focus em cerca de 1 bilhão de euros (por volta de 3 bilhões de reais).

Segunda a revista, o Ministério Público estaria investigando a suspeita de sonegação fiscal por parte do homem de 80 anos, que não ofereceu resistência durante a ação de vários dias para a retirada dos quadros do apartamento. No decorrer dos anos, o aposentado teria vendido alguns trabalhos para o seu sustento.

Uma pintura de Henri Matisse, que pertenceu ao colecionador judeu Paul Rosenberg, estaria entre os quadros apreendidos, informou a revista. Rosenberg era avô da jornalista francesa Anne Sinclair, que há anos luta pela devolução das obras roubadas pelos nazistas. De acordo com a Focus, até agora, Sinclair não sabia da existência desse quadro de Matisse.

Deutschland Nazi-Raubkunst in München gefunden

Carros de agentes alfandegários cercam prédio em Munique

Arte de guerra

Antes e durante a Segunda Guerra Mundial, os nazistas pilharam obras de arte na Alemanha e em outras partes da Europa. Muitas dessas obras foram confiscadas de proprietários judeus, que foram obrigados a vendê-las por um preço baixo.

Entre 1940 e 1944, estima-se que as forças nazistas tenham apreendido, por exemplo, cerca de 100 mil pinturas, tapetes, antiguidades e outros trabalhos de arte das casas de judeus franceses, que foram privados de seus direitos civis de acordo com a lei racial decretada pela política de colaboração do governo de Vichy.

Desde então, milhares de obras de arte roubadas foram restituídas aos proprietários ou seus descendentes, mas muitas delas nunca foram recuperadas. Na semana passada, uma investigação revelou que 139 obras do acervo de museus holandeses, incluindo uma pintura de Matisse e duas de Kandinsky, teriam sido roubadas pelos nazistas.

CA/dpa/afp

Leia mais