1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Encíclica recebe crítica positiva da imprensa alemã

Imprensa alemã faz avaliação positiva da primeira encíclica do papa alemão Bento 16.

default

Os mais importantes jornais alemães salientam que a primeira encíclica do papa alemão Bento 16 não só dá novos impulsos no aspecto religioso, mas também nas áreas pessoal e social.

Stuttgarter Zeitung, de Stuttgart: "Chama a atenção que nesta encíclica o papa Bento tematiza o amor como o conceito central da cristandade. Isto pode significar que ele quer fortalecer a visão correta da fé primeiro nas próprias fileiras."

Tageszeitung, de Berlim: "Não há nada maior e mais bonito do que o amor. O que ele é e como é vivido, disto o papa sabe pouco, mas ele faz de conta que é um entendido no assunto."

Express, de Colônia: "A encíclica do papa Bento 16 é surpreendentemente secular e ecumênica. O católico número 1 dirige-se também a protestantes, muçulmanos, judeus, a todos. Também às pessoas que não acreditam em Deus. É um apelo à coletividade. São importantes suas palavras de que a Igreja não pode nem deve ficar alheia na luta pela justiça. Também é importante sua observação de que Deus e religião são usados como subterfúgio para o ódio, a violência e a vingança. É um papa corajoso. É um papa de palavras claras."

Mannheimer Zeitung, de Mannheim: "Como já era esperado, Bento 16 não pretende aproveitar seu pontificado para uma grande reforma. Como seu antecessor, ele adapta sua forma de comunicação e seu comportamento às expectativas de um mundo globalizado."

Die Welt, de Berlim: Esta encíclica frustra os que esperavam ser decepcionados pelo novo papa. Bento 16 não deu uma de reacionário…. Não, o papa alemão apresentou um texto espetacular e comedido, que dá a necessária orientação aos católicos, além de partes dele servirem também para protestantes e ateístas."

Westfälische Nachrichten, de Münster: Não é por acaso que observadores chamam a atenção para o fato de que esta encíclica diferencia-se de outros documentos controversos escritos por Joseph Ratzinger enquanto Prefeito para a Congregação da Fé. Agora, como pontífice, ele se ocupa com a construção de pontes e tematiza o que é substancial no cristianismo."

Süddeutsche Zeitung, de Munique: "O papa delineia a imagem da 'Igreja para os outros', como já havia formulado o pastor, teólogo luterano e mártir Dietrich Bonhoeffer. Uma Igreja que não se precipita em anunciar uma receita para reformar a justiça no mundo, nem mostra cinismo ou se desespera com a miséria global. Bento 16 não reinventa sua Igreja – é tudo doutrina católica consolidada. Deus caritas est não é um documento reformista. Mesmo assim, difere-se enormemente da prédica do então cardeal Joseph Ratzinger feita na abertura do conclave um ano atrás. Na época, ele falou de forma pessimista sobre modernas ideologias que ameaçavam os cristãos e da 'ditadura do relativismo', que exigia uma grande resistência dos católicos."

Handelsblatt, de Düsseldorf: "O papa Bento 16 aposta no ideal do amor responsável para combater o vazio e a decadência da sociedade pós-moderna. Não só em relação ao indivíduo, mas também na sociedade. Segundo o papa, o Estado completamente assistencialista acaba se tornando uma instância burocrática, mas não substitui a dedicação pessoal. São teses com as quais o papa pode participar de qualquer debate, mesmo em Davos."

Leia mais

  • Data 26.01.2006
  • Autoria (rw)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/7rJ2
  • Data 26.01.2006
  • Autoria (rw)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/7rJ2