Empresas brasileiras não estão imunes à corrupção no exterior | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 02.11.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Empresas brasileiras não estão imunes à corrupção no exterior

Brasil passou de 17º para 14º no ranking que avalia a disposição das empresas em pagar propina para fecharem negócios no exterior. Rússia e China seriam as mais corruptas, Holanda e Suíça, as mais honestas.

default

Ranking analisou 28 economias mais ricas do globo

Fora do Brasil, as empresas brasileiras também se submetem ao pagamento de suborno para fechar um negócio. É o que indica o ranking divulgado nesta quarta-feira (02/11) pela Transparência Internacional (TI). Entre os 28 países analisados, o Brasil ficou exatamente no meio, em 14º lugar, e escalou algumas posições desde o último ranking, feito em 2008, quando ficou em 17º.

Em sua sexta edição, o Bribe Payers Index analisa a disposição de empresas a pagar propina quando negociam fora de seu país de origem. A avaliação vai de 0 a 10 – quanto menor a nota, maior a probabilidade de corrupção. Os 7,7 obtidos pelo Brasil mostram que as companhias que atuam fora do território nacional não estão imunes à corrupção.

A organização que elaborou o ranking se restringiu ao país de origem das maiores firmas de atuação internacional, sem mencionar nomes de empresas. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, as maiores empresas brasileiras que fazem negócios fora do país são a Petrobrás, Vale, Embraer, Samarco Mineração e Acelormittal.

Os mais e os menos honestos

No topo da lista dos mais honestos estão Holanda e Suíça, com 8,8, seguidos por Bélgica (8,7) e Alemanha (8,6).  Além do Brasil, Argentina e México foram os demais latino-americanos analisados no relatório e ficaram mais abaixo na classificação: 23º e 26º lugar, respectivamente.

Parceiras do Brasil no BRICS, Rússia e China são vistas com maior preocupação. De acordo com o relatório, as empresas desses dois emergentes são as que mais pagam dinheiro indevido em negócios internacionais. Os investimentos chineses crescem numa velocidade acelerada: bilhões de dólares estão aplicados em países como Angola, África do Sul, Congo e Dubai. Também em solo brasileiro, a presença chinesa é forte.

A Rússia, última do ranking nas edições de 2011 e 2008, sofre do que a TI chama de "corrupção estável": "mesmo que novas leis sejam adotadas, elas não têm o efeito desejado sobre os envolvidos na corrupção porque eles não são obrigados a observar tais leis", analisou Elena Panfilova, que chefia a Transparência Internacional na Rússia.

"O pagamento de propina entre empresas de diferentes setores está sendo visto como tão comum quanto a corrupção que envolve firmas e representantes do setor público", considerou o relatório. Ainda segundo a TI, houve poucas melhoras desde a avaliação de 2008. 

A organização analisou as 28 nações consideradas mais ricas – juntas, elas correspondem a 78% dos investimentos internacionais e fluxo de exportações. Mais de 3 mil executivos foram entrevistados pela TI, que quis saber em quais situações e setores o pagamento de suborno é visto como "parte do negócio". Os contratos em serviços públicos e de construção são as  áreas onde a corrupção é mais comum, aponta o relatório.

Combate

Às vésperas de mais um encontro do G20, que começa nesta quinta-feira em Cannes, a Transparência Internacional lembra que o grupo, no ano passado, declarou que se engajaria mais para combater a corrupção internacional. No primeiro dia de reunião, as nações mais ricas do globo devem lançar um relatório que analisa os progressos feitos em países como China, Rússia, Indonésia (25º do ranking) e Índia (19º).

"A implantação de novas leis nos países do G20 é uma oportunidade para criar uma economia global mais aberta e justa, que dá condições para uma recuperação sustentável e estabilidade para o crescimento futuro", declarou Huguette Labelle, presidente da Transparência Internacional.

Paralelamente às medidas que serão discutidas pelo G20, o Brasil e o Paraguai anunciaram um programa, com apoio da ONU, para combater a corrupção, além do crime organizado e a lavagem de dinheiro. O empenho contra a corrupção foi declarado uma das prioridades do governo, segundo a presidente Dilma Rousseff.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais