1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Empresas alemãs investem no mundo virtual de Second Life

Além do carnaval baiano, da embaixada da Suécia e da campanha eleitoral francesa, empresas como Mercedes-Benz também estão presentes no mundo virtual de Second Life, jogo eletrônico que se tornou a febre do momento.

default

Concessionária virtual da Mercedes-Benz em Second Life

Na última Quarta-feira de Cinzas, mais de 3 mil brasileiros puderam continuar a festa e trocar o abadá do mundo real pelo avatar virtual de Second Life – mundo digital completamente construído por seus habitantes, onde os participantes podem se locomover através de suas representações virtuais, os avatares.

Lançado pela empresa californiana Linden Lab, em 2003, o jogo eletrônico Second Life (Segunda Vida) tornou-se a febre do momento. Desde outubro do ano passado, ele já angariou mais de 3 milhões de novos "moradores", movimentando diariamente cerca de 1,6 milhão de dólares (750 mil euros).

Além de empresas alemãs como BMW, Mercedes-Benz e Adidas, que já inauguraram lojas e concessionárias virtuais, o governo da Suécia deu luz verde para abrir sua primeira embaixada eletrônica e os candidatos à eleição presidencial francesa utilizam Second Life como plataforma promocional.

Grande interesse

Deutsche Unternehmen in Second Life

Avatares passeiam em frente à concessionária virtual da Mercedes-Benz

No centro de Second Life encontra-se um mundo virtual de consumo e lazer, onde os participantes, através de seus avatares, interagem e, especialmente, consomem. A moeda deste mundo de brincadeira chama-se "linden-dólar", que pode ser comprado e vendido por dólar do mundo real. Através de operações de câmbio online, o participante compra terrenos, constrói casas, decora seu apartamento e veste seu avatar com as melhores roupas, ou seja, torna-se um cidadão burguês atraente.

Para atingir sobretudo uma clientela jovem, especialistas de marketing vêem no jogo um importante canal de distribuição. Em setembro último, a fabricante alemã de artigos esportivos Adidas abriu uma loja própria e afirma estar muito satisfeita "com a excelente repercussão". Desde então, foram vendidos 23 mil pares de tênis virtuais com uma receita de 1,15 milhão de "linden-dólares" (270 "linden-dólares" equivalem a um dólar norte-americano).

Em fevereiro deste ano, a DaimlerChrysler abriu uma concessionária da Mercedes-Benz em Second Life com direito a showroom e a uma pista de provas, onde os automóveis podem ser testados no computador. As concorrentes BMW, Toyota, Mazda e General Motors também estão presentes.

Primeira milionária

No mundo real, Second Life já fez sua primeira milionária, a alemã de origem chinesa Ailin Gräf. Segundo o jornal Financial Times Deutschland , Anshe Chung, avatar de Ailin Gräf, tornou-se a mais importante agente imobiliária do jogo online e conseguiu ganhar mais de 1 milhão de dólares através de negócios virtuais.

Os candidatos à eleição presidencial francesa estão também aproveitando esta plataforma para promover suas candidaturas. O líder da Frente Nacional, o ultraconservador Jean-Marie Le Pen, foi o primeiro, seguido da socialista Ségolène Royal, e agora é a vez de Nicolas Sarkozy pedir votos aos avatares. A campanha high-tech do candidato conservador custou 1220 euros, um preço módico pela boa publicidade, afirma o especialista de internet de sua campanha.

Cientistas sociais usam cada vez mais Second Life para suas pesquisas. Segundo o psicólogo Andreas Frey, pesquisador de comportamento interativo de casais no Instituto Leibniz de Pedagogia das Ciências Naturais em Kiel, "o comportamento demonstrado em ambiente virtual apresenta semelhanças com o comportamento interativo relatado pelos casais".

Energia desperdiçada

Jean Baudrillard

Baudrillard: o filósofo do simulacro

Não é sem discussões, entretanto, que esta nova mimese da sociedade burguesa é observada por especialistas. Ao comentar Second Life, por ocasião da 2ª Jornada Alemã da Mídia, realizada no começo de março em Munique, o diretor de marketing da Volkswagen, Jochen Sengpiehl, advertiu: "É melhor que as pessoas invistam sua energia na vida real em vez de desperdiçá-la no mundo virtual".

Já no início dos anos de 1990, por ocasião da Guerra no Golfo, o filósofo francês recentemente falecido Jean Baudrillard afirmava que o que acontece na mídia não acontece na realidade. Até ser ultrapassado pela concorrência, Second Life tenta.

Leia mais