Empresa alemã vende café expresso do Brasil na Europa | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 13.07.2006
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Empresa alemã vende café expresso do Brasil na Europa

Moema aposta em produto 100% industrializado no país. Grãos são comprados de 25 fazendas de Minas Gerais. Em fase de expansão, empresa quer vender 300 toneladas de expresso brasileiro para 16 países em 2008.

default

Rüth: 'Brasil pode tirar mais de seus grãos de café'

O Brasil é o maior produtor e exportador de café, respondendo atualmente por 40% da produção mundial. Além de ser o segundo maior consumidor do produto, o país historicamente inunda o mercado internacional com café em grãos.

Uma firma alemã está tentando mudar a imagem de que o Brasil sabe brilhar apenas na exportação de matéria-prima. A Moema Expresso Republic, fundada em 2004 em Berlim pelos consultores de empresas Ozan Taner, Wolfgang Rüth e Niels Frandsen, especializou-se em vender na Europa um café expresso gourmet brasileiro 100% industrializado no país.

Durante o desenvolvimento do produto, no ano passado, os jovens empreendedores alemães se surpreenderam com um fato que parece ser ignorado pelos grandes exportadores: o Brasil dispõe de know-how para lucrar bem mais do que apenas com a venda de grãos de café.

"Os brasileiros lidam com o produto há muitos séculos. Os italianos apenas inventaram a máquina de fazer expresso, mas na Itália não cresce café", diz o economista Wolfgang Rüth, um dos sócios da Moema.

País virtual

Ele explica que o nome Moema Expresso Republic designa um "país virtual dos amantes do Brasil e do café verde-amarelo. Nós três somos os fundadores. Nossos clientes – restaurantes, bares, hotéis, cafés e empresas de catering – são 'embaixadores'; e os consumidores são os 'cidadãos' dessa república", brinca.

Com o Pure Brasil Passion, um "expresso de fino gosto, de torrefação semi-escura e aroma de laranja e nozes", a empresa se propõe a unir o profissionalismo alemão ao estilo de vida brasileiro e a transmitir também uma dose de autêntica cultura do interior do Brasil.

"Notamos que, na Europa, o café segue muito o caminho do vinho e que a região de origem é um distintivo de qualidade do produto", conta Ozan Taner, gerente da Moema. Por isso, a empresa foi procurar sua matéria-prima numa das regiões mais tradicionais de plantio de café do Brasil: o sul de Minas Gerais, na fronteira com o Estado de São Paulo.

A Moema compra grãos da espécie arábica de 25 fazendas – em cujas redondezas há plantações de laranjas e nozes – para fazer a mistura adequada. Pelo contrato, os fazendeiros são obrigados a cumprir um rígido programa de sustentabilidade social (não podem usar trabalho escravo ou infantil, por exemplo), ecológica (utilizar só adubos e inseticidas biológicos) e econômica, que inclui treinamento pelos alemães para garantir a rentabilidade. "Queremos trabalhar com eles em longo prazo", avisa Taner.

Moema Expresso - Kaffee aus Brasilien (wird in Brasilien verarbeitet) und von einem Start-up Unternehmen in Berlin vertrieben

Pacotes de 1 kg do expresso Pure Brasil Passion

O Pure Brasil Passion foi lançado no mercado europeu em fevereiro deste ano e já é distribuído na Alemanha, Suíça, Áustria, Dinamarca e Noruega. Em concurso internacional realizado na Noruega, o expresso brasileiro acaba de conquistar o prêmio de melhor produto do gênero na Europa. Por enquanto, são vendidos pacotes de 1 kg, mas a partir de outubro chegam ao mercado embalagens menores para venda direta ao consumidor.

Até o final do ano, a empresa quer vender 20 toneladas do produto. A projeção para 2007 é vender 100 toneladas (300 em 2008), atingindo 16 países, com a inclusão de mais um café da região de Mogiana (norte de São Paulo) na pauta de exportação. "Queremos ser líderes na venda de expresso gourmet industrializado no Brasil", diz Taner.

Café em grãos

Cafe do Brasil - Kaffeebohnen aus Brasilien

Café brasileiro em grãos inunda mercado mundial

Segundo dados do Ministério da Agricultura, o parque cafeeiro brasileiro é composto por seis bilhões de pés, que ocupam 2,7 milhões de hectares de lavouras. A produção em 2005 foi de 32,9 milhões de sacas de café beneficiado e as exportações alcançaram US$ 3 bilhões. A Alemanha é o país que mais importa café brasileiro em grãos (20%), seguida pelos Estados Unidos (18%), Itália (12%) e Japão (9%).

Segundo informações divulgadas no Encontro Econômico Brasil-Alemanha, esta semana em Berlim, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está gerando e transferindo tecnologias para prepar o país para ser também um dos principais exportadores de café solúvel e torrado.

Pioneirismo

"É compreensível que os produtores brasileiros ainda tenham dificuldade em comercializar seu café processado na Europa. Falta-lhes freqüentemente o conhecimento do idioma e o conhecimento técnico para se orientarem no labirinto da legislação européia", afirma Ozan Taner.

Desde sua fundação há dois anos, a Moema vem recebendo destaque na imprensa especializada alemã não só por causa de seu produto. Também o modelo de propriedade e gerenciamento chama a atenção dos especialistas em criação de empresas.

Para escapar da pressão financeira inicial, dois sócios – Wolfgang Rüth e Niels Frandsen – mantêm seus empregos de consultores, mas transferem seus salários para uma conta conjunta, em que a renda é dividida por três (incluindo o gerente Ozan Taner). Living Cost Agreement é como eles chamam este modelo.

Segundo Taner, a Moema também é pioneira no "comércio 100% justo. Ao contrário das lojas fair trade, onde o consumidor paga um adicional que é repassado aos plantadores de café, nós fazemos todo o processamento, desde a torrefação até a embalagem no Brasil. Desta forma todos os envolvidos na cadeia produtiva participam dos lucros", diz.

Leia mais