1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Empresa alemã investiga propina em contratos da Copa

Empregados da Bilfinger teriam subornado funcionários públicos para ganhar licitações e equipar centros de segurança em 12 cidades-sede. Citada por tabloide, Fifa nega envolvimento.

A empresa alemã de engenharia e serviços Bilfinger SE investiga denúncias internas de que empregados de uma de suas subsidiárias teriam pago propina a funcionários públicos no Brasil. As alegações envolvem contratos para equipar centros de controle de segurança em 12 cidades-sede da Copa do Mundo.

Segundo o Portal da Transparência, a empresa recebeu 21,2 milhões de reais do governo federal no ano passado. Seus serviços incluíram a entrega de monitores e softwares para os centros de controle. Não está claro quem recebeu a propina e quais foram os valores.

O caso foi tornado público pelo tabloide alemão Bild am Sonntag. Em comunicado divulgado no domingo (22/03), a Bilfinger diz que recebeu informações internas no ano passado indicando a possibilidade de violações nos regulamentos de ética do grupo.

Como primeiro passo, a empresa contratou auditores da Ernst & Young para realizar uma sindicância abrangente em seus dados na Alemanha e no Brasil. E, posteriormente, solicitou os serviços da auditoria Deloitte e de um escritório de advocacia especializado no Brasil para esclarecer o incidente.

Em nota à DW Brasil, a empresa diz que a investigação será encerrada dentro das próximas semanas: "As suspeitas já foram substanciadas; a investigação, no entanto, ainda não está completa. O mesmo se aplica a questões de a quem e de quanto se referem os pagamentos realizados. Caso as alegações sejam confirmadas, a Bilfinger vai adotar medidas legais contra os funcionários envolvidos."

Governo apura denúncia

A denúncia do Bild am Sonntag diz que a Mauell – uma das subsidiárias do grupo – pagou mais de 20 milhões de euros em propina para obter os contratos para equipar os centros de controle para a Copa do Mundo. Além de funcionários públicos e políticos brasileiros, o jornal acusa a Fifa de ter recebido parte desse dinheiro.

Em nota enviada à DW Brasil, a Fifa afirmou que os centros de tráfego e segurança nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil eram projetos dos governos locais. A entidade máxima do futebol diz que nem ela nem seus empregados estiveram envolvidos na concessão de contratos pelas cidades-sede ou pelo governo federal.

"Tarefas como a regulação de tráfego, policiamento, serviços de combate a incêndios e salvamento são claramente responsabilidades das autoridades locais e, como tal, eles não pertenciam ou pertencem às áreas de responsabilidade e influência da Fifa", diz a nota da organização, que afirma ainda que lamenta não ter sido ouvida pelo jornal Bild am Sonntag para esclarecer as questões.

O Ministério da Justiça informou que, por determinação do ministro José Eduardo Cardozo, foram tomadas ainda no domingo providências como: análise interna e imediata do contrato e do procedimento licitatório; solicitação à empresa alemã para que forneça elementos e indícios que apontem possíveis irregularidades no processo licitatório e contratos; e pedido para que se instaure auditoria nos referidos contratos pela Corregedoria Geral da União (CGU).

Leia mais