1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Empresa alemã fornece grama para estádios da Copa

Durante os jogos da Copa, a atenção de milhares de torcedores em todo o mundo se voltará para a bola e os jogadores em campo. Mas um bom futebol também depende de um outro elemento: o gramado.

default

Um belo gramado precisa antes ser maltratado para aumentar sua resistência

O empresário Thomas Büchner não lembra em nada um jardineiro. Ele não veste macacão e nem tem as mãos sujas de terra. Seu local de trabalho se parece mais com a sala de troféus de um clube: taças e fotos de equipes e de jogadores decoram suas vitrines.

Quando fala sobre o Mundial de Futebol na Alemanha, Büchner deixa claro que está vivendo a febre da Copa. Ele mal pode esperar pelo dia em que Michael Ballack comandará a seleção alemã no jogo de abertura, em Munique (09/06). Só que Büchner não acompanhará apenas as jogadas. Ele também terá um olho para o gramado do estádio.

Isso porque a empresa comandada por ele é responsável pelo fornecimento de grama em cinco estádios da Copa: Nurembergue, Frankfurt, Kaiserslautern, Stuttgart e Munique. O empresário é uma espécie de guru desse mercado e foi aperfeiçoando o seu ouro verde ao longo de anos – tanto em campos de futebol como em laboratórios. Agora, ele está pronto para ser usado nos gramados da Copa.

Teste de resistência

Antes de chegar aos estádios, a grama cultivada por Büchner, da espécie Poa pratensis , passa por um teste de resistência. Com a ajuda de uma espécie de trator, Büchner e seus 21 empregados cortam a grama pela raiz – um detalhe importante, já que o vegetal só vinga no estádio se as raízes tiverem de crescer de novo. Ao final da "colheita", o que se vê na área cultivada são os rolos de grama.

Depois de transplantada para o estádio, a grama é maltratada. Büchner passeia pelo gramado conduzindo um cilíndro coberto de dentes que imita as travas das chuteiras dos jogadores de futebol. O objetivo é fazer com que ela se acostume à movimentação de um jogo de futebol e fortaleça a sua capacidade de regeneração. "É necessário causar um pouco de 'estresse' à grama", afirma o empresário.

Negócios


Cada talo de grama produzido pela empresa de Büchner vale dinheiro. Só o contrato com a Fifa assegurou ao empresário um valor bruto de quase 700 mil euros, uma soma ainda bem abaixo do faturamento anual de 2 milhões de euros. A maior parte dos negócios é feita com as lojas de jardinagem.

Se somados os pedidos da Alemanha e do exterior, o futebol responde por cerca de 30% do volume anual movimentado pela empresa. Mas a tendência é de alta, pois a procura cresceu muito nos últimos tempos e os clubes de futebol preferem terceirizar os cuidados com o gramado.

Büchner está satisfeito com o seu negócio e nem mesmo se incomoda de ver seus gramados serem maltratados por jogadores nem sempre habilidosos. Ele só reclama de uma coisa: "O que mais dói em mim não é a grama ser pisoteada, mas quando um jogador passa correndo e simplesmente cospe no gramado. Isso eu acho muito mais triste".

Leia mais