Embaixador declara infundada afirmação de que Brasil produziria bomba nuclear | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Embaixador declara infundada afirmação de que Brasil produziria bomba nuclear

Em reação ao artigo do especialista alemão Hans Rühle, que fala sobre a possilibidade de o Brasil estar construindo uma bomba atômica, embaixador brasileiro em Berlim classifica afirmação como infundada.

default

Usina nuclear em Angra-1, no Rio de Janeiro

Um dia depois da publicação da entrevista com o pesquisador alemão Hans Rühle, que defende a possibilidade de o Brasil estar construindo uma bomba atômica, o governo brasileiro enviou nesta sexta-feira (14/05) uma resposta à Deutsche Welle e considerou o assunto como encerrado.

Em carta, o embaixador do Brasil em Berlim, Everton Vieira Vargas, classifica o artigo de Rühle como "absolutamente infundado" e rebate alguns pontos citados no texto do especialista alemão em segurança.

"O Brasil nunca desenvolveu armas nucleares e – ao contrário das afirmações do Dr. Hans Rühle, ex-chefe do Estado-Maior de Planejamento do Ministério Federal da Defesa – não basta um aceno do Chefe de Estado e de Governo para alterar a Constituição de acordo com sua vontade."

Na entrevista, Rühle dizia que a proibição da Constituição de 1988 poderia ser facilmente contornada, se o governo quisesse. "Foi formulada por um governo anterior à presidência de Lula. E ele já deixou claro que não concorda com as decisões então tomadas, nem com a assinatura do Tratado de Não-Proliferação, nem com a proibição constitucional de armas atômicas."

O embaixador brasileiro ressalta que como parte da estratégia de defesa brasileira – ancorada na Constituição e na assinatura de tratados internacionais –, o país é comprometido a usar a energia nuclear exclusivamente para fins pacíficos. "O Brasil aderiu a todos os principais tratados e regimes internacionais relativos a desarmamento e não-proliferação nuclear, e cumpre plenamente os compromissos deles derivados."

Segundo Vargas, todas as 25 instalações nucleares brasileiras estão sujeitas a salvaguardas aplicadas pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Em seu artigo, Hans Rühle diz que os inspetores da agência se deparam com grandes obstáculos no Brasil, e que o programa de submarino nuclear também está vedado a eles.

"É absolutamente incorreta [...] a afirmação de que os inspetores da AIEA não teriam acesso às instalações de produção de submarinos nucleares. A única intenção é garantir a disponibilidade de tecnologia nuclear para aplicações exclusivamente pacíficas em prol do desenvolvimento econômico, social e tecnológico do Brasil", rebateu Vargas.

Fiscalização da agência

A Agência Internacional de Energia Atômica publica anualmente a lista de instalações visitadas. Segundo o relatório mais recente, de dezembro de 2008, os reatores nucleares de Angra 1e 2 e o de água pressurizada em Resende seguem as normas de salvaguarda da agência.

Também aparecem na listagem reatores de pesquisa, unidades de conversão e de fabricação de combustível, de enriquecimento de material radioativo, locais de armazenamento e unidades de pesquisa e desenvolvimento.

Por telefone, a assessoria de imprensa da agência explicou que, quando os inspetores detectam problemas, os mesmos são relatados imediatamente, e "um alerta é emitido". Dados atualizados sobre inspeções serão publicados em junho de 2010.

Sobre a polêmica em torno da visita ao local onde o submarino nuclear brasileiro está sendo desenvolvido, a agência informou que não faz esse tipo de monitoramento.

O Brasil assinou o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares em 1994 e desde 1991 faz parte do Acordo Quadripartite, que renuncia uso de armas nucleares e autoriza inspeção da AIEA. O país também é signatário do Tratado de Tlatelolco, um acordo que faz da América Latina e Caribe uma região livre de armas nucleares.

O acordo adicional que aumenta o poder de inspeção da AIEA inclui atualmente 100 países, entre eles os Estados Unidos, a China e a Alemanha. O Brasil não consta da lista.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Augusto Valente

Leia mais