1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Em uma semana, França prende mais de 50 por apologia ao terrorismo

Nenhum dos detidos tem relação com recentes ataques em Paris, o que acendeu debate sobre liberdade de expressão. Um dos presos é o comediante Dieudonné, já condenado por antissemitismo.

default

Comediante Dieudonné foi preso após postagem no Facebook

Após o ataque terrorista ao semanário satírico parisiense Charlie Hebdo, 54 pessoas foram presas na França por apologia ao terrorismo, anunciaram as autoridades do país nesta quarta-feira (14/01). Uma delas é o comediante Dieudonné, que já foi condenado diversas vezes por racismo e antissemitismo.

A prisão de Dieudonné, nesta quarta-feira, foi motivada por uma postagem no Facebook, na qual ele fez referência a Amedy Coulibaly, que matou quatro pessoas num mercado kosher e uma policial na semana passada.

"Esta noite, eu me sinto como Charlie Coulibaly", escreveu o comediante, misturando o popular slogan Je suis Charlie com o nome do terrorista. A postagem foi rapidamente apagada pelas autoridades.

Assim como Dieudonné, nenhum dos outros 53 detidos ao longo da última semana por "apologia ao terrorismo" e "ameaças de atos terroristas" tem alguma relação com os recentes ataques em Paris, o que acendeu um debate sobre a liberdade de expressão no país.

"Toda vez que eu falo, vocês não tentam entender o que estou tentando dizer, vocês não querem me escutar. Vocês estão procurando um pretexto para me proibir. Vocês me veem como Amedy Coulibaly, quando não sou diferente de Charlie", protestou Dieudonné numa carta aberta ao ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve.

A França tem leis rigorosas contra o discurso de ódio, antissemita e de apologia ao terror. Este último crime pode levar a até sete anos de prisão.

Dieudonné ficou conhecido, entre outras coisas, por ter popularizado um gesto que se assemelha à saudação nazista. Suas

apresentações provocativas foram proibidas no ano passado

, mas ele tem muitos simpatizantes, incluindo muitos jovens descontentes.

LPF/ap/afp

Leia mais