1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Em meio ao avanço dos radicais sunitas, Kerry faz visita surpresa ao Iraque

Em encontro a portas fechadas com primeiro-ministro iraquiano, secretário de Estado dos EUA discute segurança no país diante do avanço de insurgentes islâmicos. Estados Unidos pedem governo inclusivo no Iraque.

Numa visita surpresa ao Iraque, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, desembarcou em Bagdá nesta segunda-feira (23/06), onde participou de uma reunião com o primeiro-ministro Nuri al-Maliki.

No encontro, que durou pouco mais de uma hora e meia, os dois governantes discutiram a situação da segurança no país, onde o grupo extremista sunita Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) continua avançando rumo à capital.

Após a reunião a portas fechadas, o secretário de Estado foi acompanhado até seu carro pelo ministro do Exterior Hoshiyar Zebari e limitou-se a dizer que o encontro "foi bom". A reunião foi realizada no mesmo complexo em que um jornalista iraquiano arremessou um sapato contra o ex-presidente George W. Bush, em 2008.

A viagem de Kerry para negociar uma solução para a crise no Iraque teve início neste domingo, quando ele passou pelo Egito e pela Jordânia. No Cairo, ele assegurou que os Estados Unidos não pretendem interferir nas decisões que a liderança do Iraque tomar.

No entanto, Kerry acrescentou que Washington está ciente da insatisfação entre curdos, sunitas e até alguns xiitas com o governo de Al-Maliki, no poder desde 2006. O secretário de Estado enfatizou que os Estados Unidos esperam que os iraquianos encontrem uma liderança disposta a dividir o poder entre todos os grupos do país.

Washington teme o governo xiita de Al-Maliki tenha piorado a situação no país ao afastar sunitas moderados, que agora simpatizam com os extremistas do EIIL ou até mesmo os apoiam.

Encontros recentes entre Al-Maliki e diplomatas americanos foram descritos como tensos, e o clima esperado para a reunião desta segunda-feira não era amigável. Enquanto Washington não admite pressionar para que o premiê deixe o poder, diplomatas iraquianos disseram que a mensagem foi transmitida nos bastidores.

Do outro lado, segundo uma fonte próxima de Al-Maliki, o político estaria descontente com o fato de os EUA não terem fornecido apoio militar consistente diante da atual crise. Na última semana, o presidente Barack Obama concordou em enviar 300 conselheiros militares ao Iraque para ajudar o Exército a enfrentar os extremistas, mas descartou bombardeios aéreos ou o envio de tropas de combate.

Em Bagdá, Kerry também se reuniu com o clérigo xiita Ammar al-Hakim e com o porta-voz do Parlamento, Osama al-Nujaifi, um dos mais influentes xiitas do país. "Estes são tempos difíceis. A principal preocupação é o povo iraquiano, a integridade do país, suas fronteiras e sua soberania", reiterou Kerry no encontro com al-Nujaifi.

O secretário de Estado deve se encontrar com lideranças da Otan em Bruxelas, nesta terça-feira. Ministros do Exterior da União Europeia também se reuniram para discutir a crise no Iraque nesta segunda-feira, em Luxemburgo.

BWS/rtr/dpa/ap

Leia mais