Em Hiroshima, Obama defende mundo sem armas nucleares | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Em Hiroshima, Obama defende mundo sem armas nucleares

Na primeira visita de um presidente americano ao Memorial da Paz, Obama diz que o mundo não deve cometer os erros do passado e presta homenagem às vítimas da bomba atômica lançada pelos EUA em 1945.

Assistir ao vídeo 02:37
Ao vivo agora
02:37 min

Veja discurso de Obama em Hiroshima

Em visita histórica ao Parque Memorial da Paz de Hiroshima, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta sexta-feira (27/05) que é necessário reduzir os estoques globais de armas nucleares e avançar para um mundo livre de arsenais destrutivos.

"Há 71 anos a morte caiu do céu, e o mundo mudou. Não somos obrigados a repetir os erros do passado", afirmou Obama, primeiro presidente americano a visitar o monumento dedicado às 140 mil vítimas da bomba atômica lançada pelos EUA na cidade japonesa em 1945.

"Viemos para refletir sobre a terrível força empregada num passado não tão distante", disse, ao deixar uma coroa de flores em frente ao memorial, ao lado do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. "Palavras não podem dar voz a tanto sofrimento", completou Obama, ao pontuar que é necessário evitar que algo semelhante se repita.

Antes de depositar a coroa, Obama visitou um museu que exibe peças assombrosas, como fotos de vítimas com queimaduras graves, as roupas esfarrapadas e manchadas que usavam, e estátuas representando pessoas com a carne derretendo nos membros.

"Já conhecemos a agonia da guerra", escreveu ele no livro de visitas. "Vamos agora encontrar a coragem, juntos, para disseminar a paz e buscar um mundo sem armas nucleares".

Depois de discursar, Obama trocou apertos de mão e conversou brevemente com dois sobreviventes da bomba atômica. Ele e Sunao Tsuboi, de 91 anos, sorriram e trocaram algumas palavras, enquanto Shigeaki Mori, de 79 anos, chorou e recebeu um abraço do presidente.

Obama após deixar uma coroa de flores em frente ao memorial, ao lado do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe

Obama após deixar uma coroa de flores em frente ao memorial, ao lado do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe

Sem pedido de desculpas

Questionado por um grupo de veteranos japoneses a reconhecer que o lançamento da bomba atômica foi um erro dos EUA durante a Segunda Guerra, Obama respondeu em comunicado que não vai "revisitar" a decisão que permitiu o uso de armas nucleares em Hiroshima e Nagasaki. Antes da visita, ele já tinha avisado que não faria um pedido oficial de desculpas.

"Mas devo salientar que o primeiro-ministro Abe e eu virmos juntos a Hiroshima mostra ao mundo a possibilidade de reconciliação – que até antigos adversários podem se tornar os mais fortes dos aliados", escreveu.

Em discurso em frente ao memorial, Abe disse que a visita de Obama abre um novo capítulo na reconciliação entre os EUA e o Japão. A cidade de Nagasaki foi atingida por uma segunda bomba nuclear em 9 de agosto de 1945, e o Japão se rendeu seis dias depois.

Nesta semana, Obama já passou pelo Vietnã, onde anunciou o fim do embargo da venda de armas ao país, e participou da reunião do G7 na cidade japonesa de Shima. A visita oficial à Ásia tem o objetivo de estreitar os laços com países do sudeste asiático num momento em que a China empreende um avanço marítimo militar no Mar do Sul da China.

KG/afp/ap

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados