1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cinema

Em comédia sobre refugiados, alemães riem de si mesmos

Pela primeira vez, cinema alemão tematiza para o grande público a crise migratória: em "Willkommen bei den Hartmanns", a vida de uma família de Munique dá uma reviravolta após acolher um nigeriano.

Filmszene Willkommen bei den Hartmanns (picture-alliance/dpa/Foto: Warner Bros. Ent)

Cena de "Willkommen bei den Hartmanns" com Elyas M'Barek (esq.) e Senta Berger (dir.)

De um lado, uma elegante mansão em Munique; do outro, um abrigo de refugiado em contêineres amarelos. De um lado, síndrome de burnout e botox; do outro, o grupo terrorista Boko Haram, que destrói famílias e queima escolas. No filme Willkommen bei den Hartmanns (Bem-vindo aos Hartmanns, em tradução livre), que estreou nesta quinta-feira (03/11) na Alemanha, o diretor Simon Verhoeven faz dois mundos colidirem.

A trama é simples: a família Hartmann é bem situada e absolutamente infeliz. A mãe Angelika (Senta Berger) é uma professora aposentada que compensa a solidão com o álcool. O pai Richard (Heiner Lauterbach) não quer envelhecer e corre para um cirurgião plástico que lhe aconselha a simplesmente relaxar. Há ainda a filha Sophie (Palina Rojinski), eterna estudante universitária e infeliz, e seu irmão Philipp (Florian David Fitz), acometido pela síndrome de burnout e que tem um filho.

Eles todos se arrastam pela vida e percebem o quão estão perdidos quando Angelika decide, unilateralmente, acolher um imigrante – Diallo (Eric Kabongo) da Nigéria. O refugiado, aberto e otimista, apesar de ter tido a família morta pelo Boko Haram, logo assume o papel de psicólogo da casa. Ele esconde o álcool de Angelika, apresenta Sophie a seu companheiro de jogging Tarek (Elyas M'Barek) e faz Richard se confrontar com a verdade: "Você é um homem velho."

Clichês

A grande vantagem da comédia frente ao documentário ou ao drama é o humor, usado com abundância por Verhoeven para mostrar todos os clichês sobre os alemães e os refugiados. De uma amiga esquerdista da família no papel de "boa pessoa" até um "terrorista adormecido" que se faz passar por refugiado e vive no mesmo abrigo que Diallo.

Na verdade, o filme brinca com os dois polos – ajuda e medo – que refletem o clima na sociedade alemã. As diferentes posições dividem até mesmo a família: Angelika e Sophie querem ajudar, Richard e Philipp reagem, a princípio, com ceticismo em relação a Diallo.

Talvez não seja coincidência que o filme se passe em Munique, local onde os cidadãos receberam milhares de refugiados com barras de cereais e bichos de pelúcia em setembro de 2015. Apenas nove meses depois, um evento bastante diferente dominava a discussão em torno dos refugiados, e mais uma vez isso acontecia na Baviera. Em Würzburg, um afegão de 17 anos atacou os passageiros de um trem com um machado. Após o ocorrido, o "Estado Islâmico" assumiu a autoria do atentado em vídeo. Duas semanas antes do ataque, o jovem havia sido acolhido por uma família.

Integração

No filme, Diallo tem uma influência positiva sobre a família Hartmann. Embora se pareça às vezes com um dramalhão hollywoodiano, a história não está muito longe da realidade.

Patrick Leusch e sua esposa, moradores de Bonn, também acolheram um refugiado – um afegão de 16 anos, em junho passado. "Quando se iniciou a crise migratória, pensamos como poderíamos ajudar", conta o pai de três filhos. A certa altura, todos os eletrodomésticos e roupas haviam sido doados. "Mas ficou claro que a integração de refugiados era uma tarefa difícil."

Ensinar alemão ou ajudar nos procedimentos administrativos, explica Leusch, não seria possível, devido à carga horária no trabalho. Logo ficou claro: "Acolher alguém em nossa família, isso podíamos imaginar."

Ele diz que, apesar das diferenças culturais, o novo membro da família não mudou muito o cotidiano da casa. "Continuamos a viver nossa vida, nosso filho adotivo precisa se adaptar." Ao mesmo tempo, o jovem afegão de 17 anos mostrou um mundo novo: "Conhecemos outra cultura familiar, agora jogamos e conversamos uns com os outros de noite."

Recentemente, foi lançado o primeiro livro didático para crianças imigrantes; em Munique, pela primeira vez, refugiados subiram ao palco. Com Willkommen bei den Hartmanns, o tema agora é tratado nas telas dos cinemas. Em algumas passagens, o filme talvez seja incisivo demais; em outros países europeus, o tópico é tratado com mais sutileza, como em Welcome to Norway.

Mesmo assim, a comédia alemã pode ajudar a repensar a integração e à disposição de ajuda. Como falou o popular Elyas M'Barek, que faz o papel de Tarek na comédia: "Nós alemães somos tão travados sobre a nossa própria identidade..." Segundo o ator, a crise migratória pode ajudar os alemães a encontrar sua identidade e a defender seus valores.

Leia mais