1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleição na Alemanha

Em busca de um governo perdido

A recusa de Franz Müntefering em permanecer na presidência do SPD gera crise na coalizão de um governo que nem mesmo começou.

default

Partido à deriva?

A política alemã tem trazido uma supresa atrás da outra. A mais nova foi desencadeada pela recusa do presidente do SPD, Franz Müntefering, em se candidatar à reeleição do cargo que ocupa. Uma decisão anunciada na última segunda-feria (31/10).

Bildgalerie Minister Edmund Stoiber Technik und Wirtschaft

Edmund Stoiber: 'Não vou mais'

As palavras de Müntefering surtiram efeitos não apenas nos bastidores social-democratas em Berlim, mas ecoaram na Baviera, de onde o atual governador e presidente da União Social Cristã (CSU), Edmund Stoiber, mandou avisar que não pretende sair mais de onde está.

Ou seja, Stoiber, que deveria assumir em Berlim a pasta da Economia e Novas Tecnologias sob um governo de Angela Merkel, acaba de desistir. O político bávaro declarou que sua decisão de não sair da Baviera para participar do governo em Berlim não depende mais de quaisquer direções a serem tomadas pelo SPD.

Cadeia de despedidas

Andrea Nahles

Andrea Nahles: 'Tudo é possível'

A ciranda de nomes que vão e vêm no atual cenário político alemão, porém, não acaba aí. A parlamentar Andrea Nahles, da ala esquerda do SPD e cuja eleição para o posto de secretária-geral do partido levou à renúncia de Müntefering, declarou à imprensa que pode não assumir ao cargo para o qual acaba de ser escolhida. Considero tudo possível", afirmou a deputada à emissora Deutschlandfunk .

Erosão do poder

muentefering.jpg

Franz Müntefering sai da presidência do partido, mas deve ficar no governo

Franz Müntefering, ao deixar a presidência do SPD, deixa um vácuo a ser preenchido. Inertes frente à decisão inesperada, as lideranças do partido parecem confusas e desorientadas.

Para o diário berlinense Der Tagesspiegel, a renúncia do presidente social-democrata leva inevitavelmente "a uma erosão do poder", podendo levar ao fracasso de uma coalizão de governo que nem ao menos começou.

Enquanto a mídia ataca a "estratégia maquiavélica de Müntefering" ( Der Spiegel), o SPD escolhe Matthias Platzeck, governador do Estado de Brandemburgo, para a presidência do partido.

Nomes e nomes

Platzeck

Matthias Platzeck, governador de Brandemburgo

Platzeck, embora já tenha 51 anos, é apontado como "a esperança jovem" do SPD. Nascido na Alemanha Oriental e com um passado nos quadros do Partido Verde, seu nome encontra boa aceitação entre os social-democratas. Além disso, ele conduziu até agora, ao lado de Müntefering, as negociações com a CDU/CSU.

Cenário fragmentado

Indiretamente responsáveis por essa ciranda quase inexplicável ao redor do poder em Berlim são os "novos esquerdistas": os do Partido de Esquerda, ex-PDS, facção derivada do partido único da ex-Alemanha Oriental, e os dissidentes da social-democracia no Oeste alemão, sob a liderança de Oskar Lafontaine.

Afinal, se eles não tivessem angariado tantos votos nas últimas eleições, é provável que a CDU de Merkel ou o SPD de Schröder já tivessem selado as tradicionais coligações (com liberais e verdes respectivamente) e o país já tivesse, há muito, um (ou uma) chanceler em ação.

Leia mais