1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Em Berlim, Morsi promete reformas democráticas

Presidente egípcio garante que vai instaurar "Estado de direito" e quer ampliar relação com a Alemanha sem interferências internas. Berlim pede respeito a direitos humanos. Onda de violência no Egito já deixou 54 mortos.

Em visita a Berlim, nesta quarta-feira (30/01), o presidente egípcio Mohammed Morsi se deparou com uma onda de demandas apresentadas pelo governo alemão e organizações da sociedade civil.

Depois de um breve encontro Morsi na capital alemã, a chanceler federal Angela Merkel exortou o primeiro presidente islâmico do Egito a respeitar os direitos humanos no país do norte africano, atualmente palco de protestos violentos que resultaram em duas mortes no Cairo, nesta quarta-feira.

Em coletiva de imprensa durante a visita relâmpago de Morsi a Berlim, Merkel destacou ainda que é importante para a Alemanha haver um canal de comunicação com todas as forças políticas no Egito e que a liberdade religiosa precisa ser uma realidade no país. Segundo a chanceler alemã, o desenvolvimento de uma economia crescente poderia contribuir para a criação de condições políticas estáveis.

Após o encontro com Morsi, o ministro alemão da Economia, Philipp Rösler, pediu liberdades sociais no Egito em troca de uma parceria econômica "justa". Hans Heinrich Driftmann, presidente da Câmara Alemã de Comércio e Indústria (DIHK, em alemão), afirmou que, à luz da insegurança atual para empresas alemãs no Egito, a visita de Morsi a Berlim serviu para restabelecer confiança.

Egito será um "Estado de direito"

Morsi assegurou que quer avançar com reformas democráticas no Egito. Ele garantiu que irá tornar o país “um Estado de direito civil”, que não será governado por militares [como os governos que o antecederam], e que vai permitir "opiniões e contra-opiniões".

Präsident Mursi in Berlin

Morsi foi recebido em Berlim pela chanceler alemã Merkel com honras militares

Morsi também lembrou que a Alemanha acompanha o processo democrático no Egito desde o início – há dois anos, quando a revolta popular paralisou o país durante 18 dias e acabou por derrubar o então presidente Hosni Mubarak.

Ao mencionar um "novo salto da cooperação", o líder egípcio disse ainda querer ampliar as relações entre o país africano e a Alemanha nas áreas econômica, cultural, política e científica – porém "sem interferência em questões internas".

Questionado sobre se pretende incluir a oposição num governo com participação de todos os partidos do Egito, Morsi defendeu a existência de um governo estável e disse que as eleições legislativas, marcadas para daqui a três ou quatro meses, vão decidir sobre uma nova liderança.

Morsi também disse que declarou estado de emergência no Egito a contragosto. A medida seria "temporária" e teria por objetivo garantir a segurança dos cidadãos egípcios e "acabar com assaltos criminosos". O estado de urgência deverá ser revogado "assim que não houver mais necessidade".

Por causa da atual instabilidade no Egito, Morsi cancelou a viagem à França, mas insistiu em manter a visita à Alemanha – mesmo não encontrando o presidente alemão, Joachim Gauck.

Egito é chave para Primavera Árabe

Algumas horas antes da chegada do presidente egípcio a Berlim, o ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, também disse em entrevista à televisão alemã ARD que a ajuda financeira alemã ao Egito dependeria dos avanços democráticos no país, e apelou ao diálogo.

Guido Westerwelle Porträt neutral

Ajuda financeira alemã ao Egito dependeria dos avanços democráticos no país, disse Westerwelle

"O Egito é um parceiro de grande importância para a Alemanha e também é um país-chave para que os protestos no mundo árabe, em geral, possam ter sucesso. Aconselho paciência estratégica com o Egito. Ou seja: dizemos o que temos a criticar, mas é preciso fortalecer a comunicação. O diálogo é a melhor maneira de obter influência", assinalou Westerwelle.

A chanceler alemã também sublinhou o papel do Egito no processo de paz palestino-israelense, atualmente paralisado. "O Egito tem uma voz importante e pode dar uma contribuição igualmente importante", afirmou Merkel, agradecendo a Morsi pelo empenho em conseguir um cessar-fogo após os mais recentes ataques israelenses à Faixa de Gaza.

A premiê alemã afirmou ainda que seu país se sente na obrigação de atingir uma solução de dois Estados para israelenses e palestinos.

Papel da Economia

Segundo a imprensa alemã, Morsi viajou a Berlim para conseguir um alívio da dívida do país africano e possíveis investimentos do país europeu, num momento em que investidores internacionais não acreditam que o Egito apresente garantias suficientes de segurança.

Em dezembro de 2012, Berlim suspendeu a redução parcial – que poderia chegar a 250 milhões de euros – da dívida egípcia junto à Alemanha, que totaliza 2,5 bilhões de euros. A Alemanha é o terceiro parceiro comercial do Egito, depois dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita.

Manifestantes pedem fim da violência

Durante a visita de Morsi a Berlim, dezenas de manifestantes convocados pela organização Anistia Internacional protestaram, diante da sede do governo alemão, contra os recentes confrontos violentos entre manifestantes e forças de segurança no Egito que, com as ocorrências mais recentes, já deixaram 54 mortos em todo o país.

Deutschland Ägypten Präsident Mohammed Mursi in Berlin - Proteste

Ativistas da Anistia Internacional protestam contra a visita do presidente egípcio

A pior onda de violência desde a eleição de Morsi, em junho de 2012, começou na última quinta-feira (24/01), com protestos da população contra o presidente. Para tentar conter a crise, Morsi decretou estado de emergência e um toque de recolher em três províncias ao longo do canal de Suez, onde a maioria das mortes foi registrada.

Enquanto isso, no Egito...

Na manhã desta quarta-feira, o Nobel da Paz Mohamed El-Baradei, uma das principais figuras da oposição egípcia, pediu uma reunião de urgência com Morsi para tentar resolver a crise no país.

O partido oposicionista FSN (Frente de Salvação Nacional, em tradução livre), exige que Mohammed Morsi assuma a responsabilidade pela violência dos últimos dias e aceite a formação de um governo de unidade nacional. O FSN, ecoando várias vozes no país, avalia que a Constituição egípcia, aprovada num polêmico referendo em dezembro de 2012, "não é válida" porque não representaria a população egípcia, além de ferir direitos fundamentais.

RK/FC/dpa/rtr/afp
Revisão: Francis França

Leia mais