1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Eliminadas as subvenções ao transporte de animais na UE

Bloco implementa acordo de Hong Kong da OMC e exige melhor proteção a animais de abate. Agricultores alemães criticam imediatismo da medida, que beneficiaria Brasil, Argentina, Austrália e Nova Zelândia.

default

Transporte de gado tem gerado protestos na Europa

Diante das denúncias cada vez mais freqüentes, nos últimos anos, sobre o transporte de animais em condições inaceitáveis, a União Européia tomou uma decisão radical. A partir deste sábado, Bruxelas não paga mais subsídios ao transporte de animais vivos para o abate entre países do bloco.

A medida, anunciada nesta sexta-feira (23/12), só faz uma exceção: a exportação de bovinos para procriação continua sendo subvencionada, "mas só se esta for em quantidade bem mais reduzida e em condições bem melhores do que até agora", alertou o Ministério alemão da Agricultura.

Não só proteção aos animais

"A opinião pública está muito preocupada e que saber se, no longo transporte internacional de animais, a proteção aos animais é garantida", justificou a Comissária de Agricultura da EU, Mariann Fischer-Boel.

Ela usou ainda como argumentos para o corte o fato de a situação dos pecuaristas ter melhorado bastante, desde a crise da "vaca louca". Além disso, a UE aprovou o consenso "mínimo" da Organização Mundial do Comércio (OMC), no último fim de semana em Hong Kong, que obriga o bloco a suprimir todas as subvenções à exportação de produtos agrícolas (no valor de 2,6 bilhões de euros ao ano) até 2013.

Tiertransport

Animais a caminho do abate

Segundo dados da Comissão Européia, a UE exportou 174 mil bovinos para o abate em 2004 e restituiu 52 milhões de euros em custos de transporte aos pecuaristas. A maior parte das exportações de animais vivos para fora da Europa vai para o Líbano, para onde foram vendidos 66 mil cabeças de gado em 2005. No ano anterior, foram 124 mil rezes.

O ministro alemão da Agricultura, Horts Seehofer (CSU), disse que a medida é "aceitável para o pecuaristas e um passo conseqüente para uma melhor proteção aos animais. "Nos últimos anos, ocorreram muitos casos de maus-tratos de animais", disse em Berlim.

Críticas

A Associação dos Agricultores Alemães (DBV) – que inclui também os pecuaristas – admitiu que entende a decisão da UE, "mas ela veio com prazo muito curto para uma adaptação econômica. Além disso, ela não resolve o problema, porque países como Brasil, Argentina, Nova Zelândia e Austrália vão substituir os Estados europeus no transporte de animais vivos".

A comissária também sabe disso. "Apesar das normas rígidas de proteção aos animais, a União Européia não pode garantir 100% que elas sejam cumpridas fora das fronteiras do bloco", disse Fischer-Boel. "Mas com o corte das subvenções, a Comissão Européia dá um claro sinal de que a proteção aos animais não é uma palavra oca", acrescentou.

Leia mais