Eleitores votam em referendo no Quirguistão | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Eleitores votam em referendo no Quirguistão

Depois de onda de conflitos étnicos, país decide se Constituição deve sofrer mudanças. Referendo pode abrir caminho para eleições parlamentares e para possível reconhecimento diplomático do governo interino.

default

Cidadão vota em Osh

Depois de ganhar destaque em noticiários internacionais pela violência gerada por diferenças étnicas, o Quirguistão tenta escrever uma nova história neste domingo (27/06). Os cidadãos do país foram às urnas aprovar uma nova Constituição.

Se o referendo for aprovado, o Quirguistão pode passar por uma transição politica e se transformar numa democracia parlamentar. Com isso, a presidente interina, Rosa Otunbajewa, que assumiu após a deposição do presidente Kurmanbek Bakiyev, ganharia legitimidade para permanecer no cargo até o fim de 2011.

Otunbayeva votou nesta manhã na cidade de Osh, região sul do país e centro do confronto étnico entre os quirguizes, maioria, e uzbeques, grupo minoritário. "O nosso país, hoje, está à beira de um grande perigo, mas os resultados do referendo mostrarão que o país é unido e que somos um só povo", disse a líder interina

Desde 10 de junho, quando o conflito começou, 283 pessoas morreram – no entanto, estima-se que esse número chegue a 2 mil, e mais de 500 mil desalojados. As autoridades locais atribuem os distúrbios aos barões da droga e aos partidários do presidente deposto Bakiyev.

Cerca de oito mil policiais trabalham para manter a segurança ao longo do dia de votação, número equivalente ao de voluntários de segurança.

Rosa Otunbayeva Präsidentin Kirgistan Kirgisien Kirgisistan Kyrgyzstan

Presidente interina, Rosa Otunbayeva

Possíveis eleições gerais em outubro

"Você aprova uma nova Constituição?", é a pergunta que o referendo faz aos eleitores. Se as mudanças forem acatadas, o poder voltaria a ser de um primeiro-ministro, saindo das mãos do presidente. Eleições parlamentares poderiam ser realizadas já em outubro, abrindo caminho para um possível reconhecimento diplomático do governo interino.

O grupo uzbeque, que compõe 15% dos 5,5 milhões de habitantes, não veria seu papel político crescer em importância na nova Constituição, acreditam especialistas. Se a nova Constituição for aprovada, será a sétima desde que o Quirguistão ficou independente na antiga União Soviética, há 19 anos.

A Organização para Segurança e Cooperação na Europa, OSCE, enviou 25 observadores ao país, mas não Osh e Jalal-Abad, cidades consideradas perigosas. No entanto, há informações que os eleitores votam com tranquilidade nesses locais.

Os Estados Unidos e a Rússia disseram que darão apoio a um governo forte, que consiga evitar o tumulto no país asiático. A região é estratégica, já que faz fronteira com o Afeganistão e foi dominada, até agora, tal como os países vizinhos, por presidentes autoritários.

NP/rts/lusa/apn/ap
Revisão: Marcio Damasceno

Leia mais