1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Eleito novo presidente da Turquia

Eleição de Abdullah Gül do partido islâmico-conservador AKP para a presidência do país causa desconfiança da elite de orientação secular.

default

Premiê Erdogan (esq.) e Abdullah Gül, após eleição

Com 339 votos de um total de 550 deputados, Abdullah Gül foi eleito para o cargo de presidente da Turquia. Sua eleição havia fracassado em rodadas anteriores no Parlamento, devido à necessidade de dois terços dos votos. Numa terceira votação, porém, a legislação do país prevê que o presidente pode ser eleito com a maioria simples dos votos, não havendo mais a necessidade do aval de dos dois terços do Parlamento.

Gül prometeu em Ancara, durante a cerimônia de sua posse, respeitar as premissas das reformas do fundador do Estado turco moderno, Kemal Atatürk, que estabeleceram a separação entre Estado e religião. Uma separação que, segundo o diário Süddeutsche Zeitung, "não existe. Pelo contrário: O país reinventou o laicismo. Aqui, o Estado tem controle total sobre a religião".

Ajuda da UE

O primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan deverá anunciar os nomes que irão compor o governo nesta quarta-feira (29/08). O partido do presidente e do premiê possui 340 deputados no Parlamento.

Os obstáculos a serem enfrentados pelo novo presidente não são poucos. "Mas atrás de cada tarefa esconde-se também uma grande oportunidade. A Turquia pode se transformar. E ela precisa de ajuda para isso. Em primeiro lugar, da União Européia", comenta o jornal de Munique.

Mulheres de véu

Gül, hoje com 56 anos, é o primeiro presidente de orientação islâmica na história do Estado secular turco. A elite do país de tendências ocidentais vê com desconfiança sua eleição para a presidência.

Um dos pontos polêmicos que envolvem o novo presidente é, por exemplo, o fato de que sua mulher usa o véu muçulmano quando visita departamentos públicos, o que é proibido na Turquia. Durante a cerimônia de posse, não foram poucas as mulheres de políticos ligados a Gül usando o véu.

Boa parte da população do país, porém, vê como normal o uso do véu. Uma enquete do instituto de pesquisa Konda, encomendada pelo jornal Milliyet, mostrou que mais de 70% da população não se sente incomodada com o uso do véu pela mulher do presidente. Vários dos interrogados vêem numa suposta “lealdade”aos princípios da república a principal característica do presidente.

"Gül na presidência significa uma quebra de tabu para a Turquia. Ele é o primeiro chefe de Estado que cresceu num partido islâmico. Também o ex-presidente Turgut Özal era religioso e peregrinava até mesmo a Meca. No entanto, ele não tinha ligação alguma com a vertente política do islã", comenta o semanário Der Spiegel. (sv)

Leia mais