1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Eleições regionais são prova de fogo para coalizão federal

Partidos aguardam resultados de eleições em Hessen e na Baixa Saxônia com expectativa, de olho nas eleições de 2009. SPD espera confirmação para nova investida de esquerda e CDU tenta salvar campanha polêmica de Koch.

default

Hessen: novos rumos em Wiesbaden?

Os dois maiores partidos alemães – a União Democrata Cristã (CDU) de Angela Merkel, e o Partido Social Democrata (SPD) – aguardam com grande expectativa os resultados das eleições estaduais do próximo domingo (27/01) em Hessen e na Baixa Saxônia.

Por mais que seja tida como praticamente certa a confirmação do governo do democrata-cristão Christian Wullf na Baixa Saxônia, em Hessen o atual governador Roland Koch (CDU) e a social-democrata Andrea Ypsilanti travam uma verdadeira batalha eleitoral, que poderá abalar inclusive a coalizão dos dois partidos no governo federal.

Prova de fogo para o SPD

De acordo com uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira (25/01) pelo Instituto Forsa, cerca de 43% dos eleitores ainda estão incertos em Hessen. A CDU lidera as intenções de voto com 38 a 39%, seguida imediatamente pelo SPD, com 37 a 38%. O Partido Liberal deverá obter entre 9 e 10% dos votos e o Partido Verde, entre 6 e 7%. A conquista de mandatos pelo partido A Esquerda, que registrou entre 4 e 5% das intenções de voto, ainda é incerta. Para tanto, são necessários mais de 5% dos votos, limite mínimo para se fazer representar no parlamento.

Deutschland Hessen Landtagswahlen Andrea Ypsilanti

Andrea Ypsilanti, candidata do SPD: coalização com Partido Verde?

Para o SPD, trata-se das primeiras eleições após a recente mudança de curso sob o atual presidente Kurt Beck, sinalizada pela aprovação de um novo programa partidário de diretriz esquerdista. A vitória nas urnas ou ao menos um bom resultado poderia servir de confirmação e aumentar as chances da oficialização da candidatura de Beck à chancelaria federal nas próximas eleições legislativas em 2009.

CDU: Falsa estratégia?

Para Merkel, também preocupada em assegurar sua base política para as próximas eleições federais, a derrota da CDU em Hessen poderia abalar sua influência política enquanto presidente do partido. Por isso, a premiê deixou de lado a postura de mera mediadora, adotada no governo de coalizão, e confirmou o apoio do partido às polêmicas reivindicações de Koch quanto à segurança e à criminalidade juvenil – a despeito de o governo federal as haver recusado anteriormente.

Durante muito tempo, Roland Koch era visto como claro favorito à reeleição, enquanto à social-democrata Ypsilanti eram atribuídas poucas chances de sucesso. No entanto, a popularidade do democrata-cristão foi abalada após recentes declarações em tom populista sobre a criminalidade entre jovens estrangeiros e a reivindicação de um procedimento mais rígido contra criminosos de 18 a 21 anos, identificadas pela oposição como manobra eleitoral.

Reflexos nacionais

Deutschland Jugendkriminalität Hessen Ministerpräsident Roland Koch

Governador Roland Koch: declarações populistas contra estrangeiros

Especialistas alertam que as diversas constelações políticas possíveis no futuro governo estadual de Hessen poderão servir de modelo para futuras coalizões a nível federal em Berlim.

É tido como improvável que a CDU obtenha novamente a maioria absoluta, como ocorreu na última eleição cinco anos atrás. Além disso, tanto a aliança entre democrata-cristãos e liberais quanto a coalizão entre verdes e social-democratas correm o risco de serem impossilitadas pela entrada do partido A Esquerda na Assembléia Legislativa (Landtag) – fato até então inédito num estado da ex-Alemanha Ocidental.

Assim, seria preciso partir para coalizões mais amplas. O SPD, por exemplo, se mostrou apto a formar uma coalizão com o Partido Verde e o FDP – opção que foi descartada pelos liberais. Ao mesmo tempo, a CDU teme a formação de uma aliança entre SPD, verdes e A Esquerda, embora o próprio SPD tenha negado interesse na aliança, temendo dar margem a especulações no âmbito federal. A Esquerda, afinal, é formada em parte por ex-social-democratas descontentes com o rumo da política do partido durante o governo Schröder.

Uma grande coalizão entre CDU e SPD seria uma solução possível também em Hessen, indiferente de qual partido venha a preencher o posto de governador. No entanto, a opção vem sendo negada com veemência por ambos nos últimos dias de campanha eleitoral. (rr)

Leia mais