1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Eleições parlamentares decidem futuro da Turquia

Na Turquia, 42,5 milhões de eleitores vão às urnas numa eleição que pode mudar o sistema parlamentarista e o caráter secular do Estado, num país em que a maioria da população é muçulmana.

default

Campanha eleitoral do partido nacionalista MHP

As eleições gerais deste domingo (22/07) na Turquia decidirão se o atual primeiro-ministro, Recep Tayyip Erdogan, de tendência islâmica, será reeleito para o cargo ou se haverá uma mudança no governo e no rumo político do país.

As 550 cadeiras do Parlamento são disputadas por 7.535 candidatos de 14 partidos – incluindo 764 candidatos independentes. O Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), de tendência islâmica, comandado por Erdogan, lidera as pesquisas com cerca de 40% das intenções de voto.

Segundo analistas, no entanto, a obtenção de uma maioria absoluta de 276 cadeiras pelo AKP depende de quais outros partidos conseguirão representação no Parlamento. Além do centro-esquerdista Partido Republicano Popular (CHP), principal legenda de oposição, com 18% a 20% nas pesquisas, também o Partido do Caminho Nacional (MHP) – 10% a 12% – deve eleger alguns deputados.

Erdogan, cujo partido fracassou há três meses na tentativa de eleger indiretamente o ministro das Relações Exteriores, Abdullah Gül, para a presidência do país, espera uma vitória acachapante como em 2002. A candidatura de Gül para a presidência foi bloqueada pelo Parlamento, que temia que um chefe de Estado de um partido islâmico colocasse em perigo a tradicional separação entre Igreja e Estado na Turquia.

Wahlkampf in der Türkei - Tayyip Erdogan

Erdogan: vitória ou fim da carreira política?

O AKP, no entanto, se diz comprometido com um Estado secular e defende o ingresso da Turquia na União Européia. Erdogan ameaçou abandonar a política, caso seu partido não consiga neste domingo os votos necessários para governar sozinho.

Turquia e União Européia

Caso o AKP não obtenha a maioria absoluta, os deputados curdos poderiam se transformar em fiel da balança. O Partido Socialista Democrata, de origem curda, lançou seus candidatos como independentes e espera obter 10% dos votos – o mínimo exigido para ter representação no Parlamento. Prevê-se que cerca de 30 desses candidatos conseguirão se eleger.

Especula-se também sobre a possibilidade de formação de uma coalizão entre CHP e MHP. Esses dois partidos, de tendência secular e nacionalista, mostram-se céticos em relação à Europa e defendem uma linha dura no combate ao terrorismo e uma intervenção militar contra o clandestino Partido Trabalhista do Curdistão (PKK) no norte do Iraque. (gh)

Leia mais