1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Eleições na Ucrânia reaproximam rivais

As eleições parlamentares na Ucrânia foram um humilhante golpe pessoal para o presidente Viktor Yushchenko, mas podem acabar reunindo novamente os líderes da Revolução Laranja, segundo especialistas.

default

Ex-primeira-ministra Timoshenko: sucesso inesperado

Os resultados parciais das eleições parlamentares na Ucrânia indicam que o presidente Viktor Yushchenko será derrotado tanto pelo homem que ele mesmo derrotou durante a Revolução Laranja há cerca de um ano, quanto pela mulher que ele demitiu do cargo de primeira-ministra seis meses atrás.

Wahlen in der Ukraine

Simpatizantes do bloco Nossa Ucrânia antes do pleito

De acordo com os primeiros dados da contagem divulgados nesta segunda-feira (27/03), sua coalizão presidencial Nossa Ucrânia recebeu apenas 17% dos votos, comparado com os 31% obtidos pelo pró-russo Partido das Regiões, do líder da oposição Viktor Yanukovich, e os 24% contados pelo bloco de Julia Timoshenko, ex-aliada de Yushchenko e hoje na oposição.

Os números também mostram que outros dois partidos devem alcançar o mínimo de 3% necessários para ingressar no Parlamento – os socialistas, com 5%, e os comunistas, com 3%.

Reações positivas

O governo alemão congratulou a Ucrânia pelo resultado das eleições que, por enquanto, pode-se dizer terem sido "livres, justas e democráticas", segundo um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. Berlim disse estar contente com o fato de o povo ucraniano ter podido expressar seu desejo democrático pela primeira vez sem impedimentos e espera que uma coalizão entre Timoshenko e Yushchenko traga estabilidade política e garanta o curso de reformas iniciado.

EU behält Waffenembargo gegen China bei

A comissária Benita Ferrero-Waldner

A União Européia pretende intensificar ainda mais os laços políticos com Kiev. Em Bruxelas, a comissária de Relações Exteriores da UE, Benita Ferrero-Waldner, caracterizou as eleições como mais uma prova da consolidação das regras democráticas no país desde a Revolução Laranja. "Espero que possamos negociar uma cooperação ainda mais intensa, que possa incluir até uma união alfandegária", disse.

Votos para a oposição

"Os resultados são a avaliação do povo ucraniano do primeiro ano de governo de Yushchenko. E eles depositaram a confiança em seus opositores", disse Kost Bondarenko, analista político de Kiev. Desde que subiu ao poder em 2004, a popularidade de Yushchenko despencou com o enfraquecimento da economia e cisões na bancada laranja.

Antes de assumir o governo ucraniano, quando seu opositor Yanukovich ainda era primeiro-ministro sob a presidência de Leonid Kutschma, a economia do país crescia a um índice de 12%. Desde a revolução, esse índice caiu para 4%. Para especialistas, essa é a principal causa para a atual popularidade de Yanukovich.

Sucesso inesperado

Mas, mesmo que obtenha o maior número de votos, Yanukovich provavelmente terá de permanecer na oposição, graças ao imprevisto êxito de Julia Timoshenko. "Temos o apoio de três forças políticas distintas: o Partido Socialista, o bloco Nossa Ucrânia e o meu bloco, e, com isso, a maioria no Parlamento", disse ela.

"Hoje temos todas as possibilidades de firmar uma coalizão sob a responsabilidade do meu partido." Ainda na noite de domingo, Timoshenko enviou um projeto para um acordo de coalizão ao Partido Socialista e outro ao partido de Yushchenko, que é o grande perdedor do pleito.

Parlamentswahl Ukraine - Viktor Juschtschenko

Viktor Yushchenko: popularidade em queda

Yushchenko – cuja popularidade um ano atrás atingia 70% – não se manifestou pessoalmente, tendo sido representado por seu coordenador de campanha: "Gostaria de parabenizar a todos nós. Se somarmos todos os votos laranjas, obtivemos uma clara vitória".

O resultado, no entanto, ainda não é definitivo e os malotes contendo cédulas das mais diversas regiões do país chegam apenas aos poucos à capital Kiev. "Vamos trabalhar na apuração toda a segunda-feira e talvez parte da terça-feira", afirmou o diretor da comissão eleitoral central, Yaroslav Davidovich.

Veja no mapa mais detalhes sobre a Ucrânia.

Leia mais