1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Eleições locais sugerem eurocéticos britânicos mais fortes na UE

Parciais indicam fortalecimento da ultradireita em pleitos municipais no Reino Unido, realizados junto à votação para o Parlamento Europeu. Tendência pode levar Cameron a acirrar política anti-Europa de Londres.

default

Nigel Farage: líder do Ukip ganhou votos pregando saída da União Europeia

Os resultados das eleições europeias só poderão ser divulgados no domingo (23/05), quando todos os 28 países-membros tiverem ido às urnas. Mas se no Reino Unido for tomada como base a apuração do pleito municipal, realizado simultaneamente ao europeu na quinta-feira, os eurocéticos devem registrar um avanço significativo.

Nas eleições regionais britânicas, o UK Independence Party (Ukip), liderado pelo carismático Nigel Farage, teve o maior crescimento de votos da história da legenda, tirando vários assentos tanto do governo quanto da oposição.

Em 161 localidades britânicas, mais de 4 mil assentos de câmaras locais foram colocados em votação. Parciais publicadas após contagem de quase metade dos municípios indicam que o Ukip registrou um ganho de quase cem lugares, enquanto o Partido Trabalhista, principal força da oposição, conquistou mais de 130 lugares.

Europawahl Großbritannien Cameron 22.05.2014

Premiê britânico Cameron (com mulher, Samantha): sob pressão da ultradireita

Os conservadores, do primeiro-ministro David Cameron, perderam mais de 100 mandatos, enquanto os liberais, membros da coalizão governamental, sofreram perdas semelhantes. Durante a campanha, o líder do Ukip, Nigel Farage, defendeu a saída do Reino Unido da UE e um limite à imigração.

A eleição municipal britânica é considerada uma referência importante para o comportamento do eleitorado do Reino Unido na escolha para o Parlamento Europeu. Caso a tendência das votações regionais seja confirmada nas europeias, o resultado pode aumentar a pressão para que Cameron adote uma política ainda mais dura visando reduzir os poderes da UE.

Os britânicos foram na quinta-feira, ao lado dos holandeses, os primeiros a votarem nas eleições europeias. Na sexta-feira, tchecos e irlandeses foram às urnas. Na Alemanha, como na maioria dos outros países, o pleito será no domingo.

Wilders perde força na Holanda

Já na Holanda, o anti-islâmico e nacionalista Partido para a Libertade (PVV), de Geert Wilders, deve amargar perdas de eleitores no pleito europeu. A legenda só deverá obter cerca de 12% dos votos, ficando em quarto lugar, segundo sondagem do instituto Ipsos. A legenda da Wilders ficaria, então, atrás dos centristas Democratas 66, dos cristão-democratas e dos liberais do primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

Europawahl Niederlande Wilders 22.05.2014

Wilders diz que participação baixa mostra "repugnância" dos eleitores em relação à UE

Entretanto, Wilders interpretou o desempenho fraco de sua agremiação como uma confirmação de sua política. Ele argumentou que a baixa participação dos eleitores, de cerca de 35%, mostra a "repugnância" e o desinteresse que os holandeses nutrem em relação à UE. "A Holanda não se tornou mais pró-europeia", afirmou.

Pesquisas de opinião apontam que partidos eurocéticos de extrema direita e de
extrema esquerda, que acusam Bruxelas de incentivar austeridade, recessão e
desemprego, podem ganhar cerca de 25% dos lugares do Parlamento Europeu, quase dobrando sua bancada atual.

Entretanto, o Parlamento permanecerá dominado por grupos pró-europeus de
centro-direita, centro-esquerda, partidos liberais e verdes, que geralmente votam em conjunto, em prol da legislação da UE.

MD/rtr/dpa

Leia mais