1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Eleições estaduais viram plebiscito sobre política migratória de Merkel

Três estados alemães elegem novos parlamentos neste fim de semana. Indiretamente, o eleitorado também estará julgando a política de Berlim para os refugiados. Uma dura prova para Merkel e seu partido.

Ellwangen, no estado de Baden-Württemberg, no sul da Alemanha, é um município bem situado, com menos 25 mil habitantes, grande parte dos quais de classe média, e taxa de desemprego quase zero. Lá o partido conservador União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel, é uma força política importante – ainda.

No fim de 2014, a cidade fez manchetes ao se declarar disposta a acolher até mil refugiados e acabou famosa por sua hospitalidade. Só que chegou muito mais gente do que o esperado: em meados de 2015 já havia cerca de 4.600 imigrantes.

Quando o clima amigável já desandava, um tiro acirrou os ânimos: em meio à praça do mercado, um sírio foi atingido na cabeça, por sorte sem maiores consequências. Pancadarias nos abrigos para refugiados contribuíram para elevar a tensão. Agora vai haver eleição na cidade. E naturalmente o tema central é a política migratória de Merkel.

No próximo domingo (13/03), cerca de 12,6 milhões de eleitores irão às urnas nos estados de Baden-Württemberg, Renânia-Palatinado e Saxônia-Anhalt. Nunca os votos da província tiveram tanto peso para a política federal alemã: temas estaduais clássicos, como educação ou ordem policial, estão inegavelmente ofuscados pelo tema maior, a política para refugiados.

Deutschland Sachsen-Anhalt Versammlung der AfD

"Defender as fronteiras": direita populista da AfD sobe às custas dos medos da população

Populistas lucram no mundo invertido da política alemã

A insistência da chefe de governo no princípio das fronteiras abertas bagunça as frentes de combate clássicas da política alemã. Nesse mundo invertido, parte da oposição aplaude a opção de Merkel e um terço da CDU se opõe abertamente à própria líder do partido, cujas bases oscilam entre a agressão e a resignação. Já a União Social Cristã (CSU), partido irmão da CDU, ameaça até mover uma ação contra a chanceler.

Entre os que lucram com essa situação está a legenda populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD). É possível que, na história da política partidária do pós-Guerra, nunca uma organização política tenha crescido tão rapidamente com tão pouco esforço próprio na Alemana.

Simplesmente açulando os medos do assim chamado "cidadão preocupado", o partido recém-fundado se fortaleceu no espaço de meses e já está representado em cinco parlamentos estaduais. Segundo pesquisas, o apoio eleitoral à AfD já ultrapassa os 10% nos três estados em que vai se votar em 13 de março.

E assim se tornaria realidade o pior pesadelo da CDU: que mais à direita dela uma legenda populista viesse a fincar pé politicamente – neste caso, a Alternativa para a Alemanha.

Saxônia-Anhalt sob o medo de novas mudanças

Reiner Haseloff Ministerpräsident von Sachsen-Anhalt Landespressekonferenz PK

Governador Reiner Haseloff expressa temores de sobrecarga da Saxônia-Anhalt com refugiados

Em nenhuma outra região a perplexidade diante das reviravoltas sociais na Alemanha é tão grande como no Leste, nos estados que formavam a extinta Alemanha Oriental. Sociólogos e especialistas em demoscopia concordam: as permanentes transformações desde a queda do Muro de Berlim, em 1989, desestabilizaram os alemães orientais a ponto de toda forma de mudança ser percebida como uma imposição.

O governador da Saxônia-Anhalt, o democrata-cristão Reiner Haseloff, confirma que, sob a pressão da onda migratória, seu estado vem tendendo fortemente para a direita política. Assim, a CDU cai na preferência do eleitorado, à medida que cresce o apoio à AfD.

Haseloff alega que a Saxônia-Anhalt consegue integrar no máximo 12 mil refugiados por ano. Segundo o conselho estadual para refugiados, até o fim de 2015 haviam sido registrados 41 mil – um terço, porém, seguiu viagem.

Governo verde e conservador em Baden-Württemberg

Baden-Württemberg, o estado industrial-modelo da Alemanha, é considerado a pátria sentimental da União Democrata Cristã. Assim, é curioso que justamente lá tenha sido eleito, há cinco anos, o primeiro governo estadual do Partido Verde na história do país. Por outro lado, o governador é um verde bastante atípico.

Winfried Kretschmann Baden-Württemberg Bündnis 90 / Die Grünen

Winfried Kretschmann é um verde atípico

Winfried Kretschmann, professor do curso médio de química, biologia e ética, é um homem de valores conservadores e defensor da realpolitk. Ele próprio classifica sua filiação a um grupo marxista-leninista, nos tempos de estudante, de "erro fundamental". Católico praticante, afirma publicamente que reza todos os dias por Merkel.

Ao contrário de grande parte da própria legenda da chanceler federal, o político de 67 anos aplaude a política para refugiados de Merkel. Segundo observadores, sob os verdes de Kretschmann, é como se Baden-Württemberg fosse governado por uma "nova CDU".

Essa proximidade e simpatia diminuem bastante as chances dos "verdadeiros" democrata-cristãos no estado do sul alemão, nas eleições de 13 de março. Até por que o candidato do partido ao governo, Guido Wolf, de 54 anos, é um concorrente pouco popular em comparação com Kretschmann.

Renânia-Palatinado: entre lealdade e ascensão política

As chances de Julia Klöckner como candidata democrata-cristã na Renânia-Palatinado são bem melhores do que as de Wolf. Na CDU, ninguém domina tão bem quanto ela o complicado balanço entre lealdade ostensiva a Merkel e ataques controlados à política migratória de Berlim.

Deutschland Julia Klöckner CDU Empfang in Mainz

Julia Klöckner: pupila de Merkel e mestre do "isto e também aquilo" na política

Pupila política da chanceler e, desde 2012, sua vice à frente da CDU, a filha de vinicultores de 43 anos é considerada mestre da política do "tanto isso como aquilo". Já em 2014 ela reconheceu que os refugiados seriam um tema duradouro e explosivo para a política nacional. Assim, em sua campanha, ela sinaliza que leva a sério as apreensões do "cidadão preocupado", ao mesmo tempo em que se mantém verbalmente fiel a Merkel.

Klöckner poderá se converter na grande vitoriosa do fim de semana para os conservadores, em meio a resultados possivelmente fracos para a CDU nos três estados. Especialmente se ela conseguir formar um governo de coalizão na Renânia-Palatinado, e Merkel continuar perdendo apoio da população.

Então, num partido de núcleo enfraquecido – sendo a única exceção o atual ministro das Finanças, o veterano Wolfgang Schäuble – Klöckner passaria a ser um nome central nos quadros democrata-cristãos.

Leia mais