Eleições de Honduras dividem comunidade internacional | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 30.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Eleições de Honduras dividem comunidade internacional

Vitória de Porfirio Lobo nas eleições presidenciais de Honduras se tornou motivo de dissenso internacional. Liderados pelo Brasil, governos latino-americanos se recusam em sua maioria a reconhecer eleições hondurenhas.

default

Porfirio Lobo (d) conseguirá convencer países latino-americanos?

Cinco meses após o golpe de Estado que destituiu o ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya, o candidato do opositor Partido Nacional, Porfirio Lobo, venceu as eleições presidenciais de Honduras, realizadas neste domingo (29/11).

O Tribunal Superior Eleitoral do país informou, nesta segunda-feira (30/11), que o deputado do partido conservador teria recebido mais da metade dos votos apurados. O rival do Partido Liberal, Elvin Santos, conquistou por volta de 38%. Lobo, um empresário agrícola de 61 anos, assumirá oficialmente o poder em 27 de janeiro próximo.

No entanto, ele deverá começar a trabalhar já nesta semana para convencer os governos que rejeitam uma eleição tutelada pelo governo de fato de Roberto Micheletti. O presidente interino ocupou a presidência hondurenha após a expulsão de Zelaya para Costa Rica, em junho último, e seu posterior retorno a Honduras, onde recebeu refúgio na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa.

Defesores e opositores

Após a vitória de Porfirio Lobo, as eleições em Honduras passaram a ser motivo de dissenso internacional. Enquanto Estados Unidos, União Europeia (UE) e alguns países latino-americanos saúdam o resultado e o transcorrer pacífico do pleito, a maioria dos governos do subcontinente – reunidos em Portugal a partir desta segunda-feira na 19ª Cúpula Ibero-Americana – disse que não irá reconhecer as eleições organizadas por um governo ilegítimo.

Lula da Silva mit Juan Carlos und Jose Luiz Zapatero

Lula com o rei espanhol, Juan Carlos, e o premiê José Luiz Zapatero, em Estoril

Entre os países do continente americano favoráveis ao processo eleitoral e dispostos a reconhecer o novo chefe de Estado hondurenho estão Estados Unidos, Peru, Panamá, Costa Rica e Colômbia. Do lado dos opositores estão Brasil, Argentina, Nicarágua, Equador, Bolívia, Paraguai, Uruguai, El Salvador e Guatemala.

Após sua chegada a Lisboa, no domingo, o presidente Lula afirmou, num aparente braço-de-ferro com Washington: "No caso de Honduras, tive uma conversa com Celso Amorim e disse-lhe que o Brasil não tem motivo de repensar nada". Lula acresceu que o "Brasil vai manter sua posição, porque não é possível aceitar um golpe".

Para o Departamento de Estado norte-americano, por outro lado, a eleição foi a melhor forma de superar a crise, representando um importante avanço. "A participação dos eleitores parece ter excedido a das últimas eleições presidenciais, o que demonstra que, tendo a oportunidade de se expressar, o povo hondurenho encarou a eleição como uma contribuição importante à solução da crise política no país", afirmou o porta-voz Ian Kelly.

Posição europeia

A Comissão Europeia expressou sua satisfação pelo fato de as eleições terem transcorrido "sem incidentes violentos". "Agora é importante que as partes interessadas intensifiquem seu trabalho para chegar a uma verdadeira reconciliação nacional", afirmou um porta-voz da Comissão nesta segunda-feira, em Bruxelas.

A França, por outro lado, lamentou que a eleição não tenha se realizada num contexto de "ordem constitucional que garanta legitimidade incontestável". A posição da Espanha, que condenou o golpe de Estado em junho, é de não reconhecer as eleições, mesmo admitindo que elas representam um passo no sentido de resolver a crise política.

"A ruptura institucional agora tem outros protagonistas", comentou o primeiro-ministro da Espanha, José Luis Zapatero, na cúpula de Lisboa. Em Portugal, Zapatero apelou por um "grande consenso nacional" como saída para a situação de Honduras.

CA/lusa/dpa/rtrs

Revisão: Simone Lopes

Leia mais