1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Egito ordena novo julgamento para jornalistas da Al Jazeera

Três funcionários da emissora, presos há um ano, foram condenados por supostamente ajudar a Irmandade Muçulmana. Observadores consideram sentença uma farsa de fundo político.

A mais alta corte do Egito aceitou nesta quinta-feira (01/01) o recurso apresentado por três jornalistas da emissora de televisão Al Jazera, condenados a entre sete e dez anos de prisão, e ordenou a repetição do julgamento. Entretanto, os jornalistas, presos há um ano, foram mantidos sob custódia até uma nova audiência.

O australiano Peter Greste, o egípcio com passaporte canadense Mohamed Fahmy e o egípcio Baher Mohamed foram condenados por espalhar mentiras para ajudar uma "organização terrorista", em referência à Irmandade Muçulmana, entre outras acusações.

Os três jornalistas não estavam presentes na audiência desta quinta-feira, que durou apenas 30 minutos. Tanto a defesa quanto a promotoria haviam pedido uma repetição do julgamento.

A esposa de Mohamed disse que o novo julgamento é "um pequeno, mas positivo passo" em direção à liberdade do marido.

A Al Jazeera exige a libertação de seus funcionários, e o diretor-geral da emissora, Mostafa Souaga, afirma que os jornalistas foram "presos injustamente". "Suas prisões foram políticas, a sentença foi política e o fato de eles serem mantidos presos é, para nós, político", diz.

O julgamento dos três jornalistas foi condenado por grupos de direitos humanos e governos ocidentais e incitou a ONU a questionar a independência jurídica do Egito. Muitos observadores também consideram o julgamento que resultou na condenação dos três jornalistas uma farsa de fundo político, devido à falta de evidências que pudessem incriminá-los.

As prisões ocorreram durante a repressão, por parte do governo egípcio, aos islamistas país, após a deposição do presidente Mohammed Morsi. As autoridades acusavam a Al Jazeera de agir como a voz da Irmandade Muçulmana no Egito e de ameaçar a segurança nacional.

A emissora negou tais acusações e afirmou que seus jornalistas estavam apenas cobrindo os protestos dos apoiadores de Morsi. Os réus dizem terem sido vítimas da disputa política entre o Egito e o Catar – onde a emissora está sediada – em razão do apoio do Catar à Irmandade Muçulmana, e afirmam que estavam somente exercendo a sua profissão.

LPF/afp/rtr/lusa/ap

Leia mais