1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

"Economist" prevê ano desastroso para Brasil

Com foto de Dilma cabisbaixa, revista britânica dedica primeira capa do ano ao país e publica reportagem repleta de críticas sobre perspectivas para 2016: "Até a Rússia, cheia de sanções, deve fazer melhor", ironiza.

Cover The Economist 2016 Brasilien Präsident Dilma Rousseff

Capa da revista britânica, que estará nas bancas a partir de 02 de janeiro

A tradicional revista britânica Economist dedica a primeira capa de 2016 ao Brasil. Com o título "Queda do Brasil" e a foto da presidente Dilma Rousseff cabisbaixa, a publicação, que estará nas bancas a partir de 02 de janeiro, prevê que o ano de 2016 será desastroso para o país.

A revista frisa, logo no primeiro parágrafo da matéria, que o Brasil deveria iniciar o ano num clima de euforia devido aos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, fazendo uma festa espetacular. Mas, em vez disso, o país enfrenta "um desastre político e econômico".

O texto lembra o risco de impeachment de Dilma pelo Congresso, o escândalo de corrupção em torno da Petrobras e a redução da nota de crédito do país pelas agências de classificação de risco Standard&Poor’s e Fitch.

Ela citou também a saída do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, após menos de um ano à frente da pasta, e a estimativa de retração da economia de 2,5% e 3% em 2016, "não muito menor que em 2015". Segundo a publicação, "até mesmo a Rússia, dependente de petróleo e cheia de sanções, deverá fazer melhor".

Ao citar os Brics – grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul –, a Economist diz que o país deveria estar supostamente na vanguarda do crescimento das economias emergentes. Mas, ao contrário, enfrenta disfunções políticas e talvez o retorno de uma inflação galopante.

"Somente decisões difíceis podem trazer o Brasil de volta ao seu caminho", afirma, acrescentando que o país deveria realizar reformas importantes como da Previdência e da legislação trabalhista. Mas, na visão da publicação, as reformas não deverão ser colocadas em prática porque "neste momento, Dilma não parece ter estômago para elas".

A burocracia brasileira fará com que o atual ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, tenha dificuldades em 2016 para colocar o país nos trilhos. E, para piorar, há resistências dentro da base governista, especialmente do PT, que é contra o corte de gastos, e da oposição, que pretende avançar com o processo de impeachment.

A revista questiona: "E se Dilma não conseguir implementar mudanças?" A resposta, de acordo com o periódico, seria o crescimento da dívida pública e perdas nos ganhos sociais.

"A conquista do Brasil foi retirar dezenas de milhões de pessoas da pobreza. A recessão poderá paralisar ou mesmo reverter esse processo. A esperança é que o Brasil, que alcançou duramente a estabilidade econômica e democrática, não caia novamente em má administração e turbulência crônica", afirma a Economist.

Revista já deu outras capas ao país

Não é a primeira vez que a crise brasileira aparece com destaque na tradicional revista de economia. Em fevereiro deste ano, a publicação colocou na capa de sua versão para a América Latina a manchete "O atoleiro do Brasil" e o desenho de uma passista de escola de samba coberta por uma gosma verde.

Na época, a revista afirmou que o país passava por sua maior turbulência desde o início dos anos 1990. O periódico disse que os problemas econômicos do país eram bem maiores do que o governo admitia ou que os investidores pudessem perceber, e lembrou o escândalo de corrupção na Petrobras.

A revista também deu destaque ao país em novembro de 2009. A capa mostrou o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, decolando como se fosse um foguete e o título "O Brasil decola". Já em setembro de 2013, a publicação voltou a estampar uma montagem parecida com a de 2009, porém, agora com o Cristo Redentor afundando após o voo e o título "Será que o Brasil estragou tudo?".

Leia mais